Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Guedes ganha apoio dos sonhos no plano de aplainar preço do combustível

Apesar de enfrentar resistência de senadores e governadores por causa da perda de arrecadação, projeto passou a ser apoiado por Rodrigo Pacheco

Por Victor Irajá, Larissa Quintino Atualizado em 26 Maio 2022, 15h33 - Publicado em 26 Maio 2022, 13h30

Se o ministro da Economia, Paulo Guedes, tinha motivos para acreditar que o projeto que limita a cobrança de ICMS a 17% de combustíveis, energia e transportes enfrentaria maiores resistências no Senado do que na Câmara, ele acaba de ganhar um forte aliado para dar vazão ao texto. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, afirmou, nesta quinta-feira, 26, que o aumento do preço dos combustíveis “já passou de todos os limites”.

“Vamos receber o que foi aprovado na Câmara. A intenção do Congresso Nacional é buscar soluções inteligentes e efetivas para a redução do preço dos combustíveis. Daremos toda a atenção ao projeto”, afirmou Pacheco. “Vamos dar a ele a importância devida porque parece ser um instrumento inteligente para a redução dos preços. De fato, já passou dos limites o que estamos vivendo”, disse ele. Aprovado na Câmara depois de articulação ferrenha do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o texto é malquisto por parte do Senado, dada a perda de arrecadação para os estados entre 64 bilhões e 83 bilhões de reais.

Para que a matéria fosse aprovada na Câmara, foi incluído no texto um gatilho para os estados para tentar mitigar a perda de arrecadação. Segundo o projeto, se a perda de arrecadação ultrapassar 5% do que arrecadaram em 2021 por causa dessa redução da alíquota do ICMS, o governo vai arcar com o excedente abatendo as dívidas do estado atingido com a União.

O projeto de lei (PLP 18/22) tramitou em caráter de urgência e representa mais um esforço do governo de frear a alta dos preços, uma das grandes preocupações do presidente Jair Bolsonaro, que disputa a reeleição. A inflação acumula alta de 12,13% em doze meses até abril, maior patamar em quase duas décadas. O IPCA-15, considerado a prévia da inflação, também adiciona mais preocupação para a popularidade do governo. O índice de maio registrou alta de 0,59% ante os 0,45% esperados pelo mercado. Esse aumento deve elevar também as projeções da inflação no ano, com algumas casas de análise já projetando para cima de 8,4% o índice de 2022.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)