Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Governo quer arrecadar até R$ 4 bi com privatização de ‘raspadinha’ da Caixa

Megalicitação passará à iniciativa privada toda a operação de loterias instantâneas, atribuição que hoje é exclusiva do banco

Por Da Redação 22 out 2015, 20h40

Para reforçar os cofres, o governo prepara uma megalicitação para passar à iniciativa privada toda a operação de loterias instantâneas, as “raspadinhas”, atribuição que hoje é exclusiva da Caixa Econômica Federal. A estimativa inicial de arrecadação era 15 bilhões de reais. Agora, segundo dados do governo, a privatização das raspadinhas pode engordar os cofres públicos entre 2,2 bilhões e 4 bilhões de reais ainda em 2015.

A exploração anual dos jogos deve gerar aproximadamente 1 bilhão de reais para a União. A quantia não resolve, mas ajuda o governo na difícil tarefa de encontrar novos recursos para diminuir as deficitárias contas públicas.

A mesma medida provisória que autorizou o Banco do Brasil e a Caixa a comprar participações em outros bancos, diretamente ou por meio de subsidiárias, também abriu caminho para a Caixa criar uma nova empresa para explorar as raspadinhas, modalidade de jogo em que o resultado é imediato. A MP, enviada recentemente ao Congresso, permite que a Loteria Instantânea Exclusiva (Lotex) explore datas comemorativas, além de marcas, emblemas, hinos e todos os elementos de clubes de futebol.

Com a publicação da MP, começaram rumores no mercado financeiro de que a iniciativa tinha como objetivo salvar alguns bancos de menor porte que estariam prestes a quebrar. A cada dia, uma instituição pequena estava nas conversas entre operadores como a bola da vez. Nenhuma até hoje foi confirmada.

Uma fonte da equipe econômica negou que haja qualquer problema de saúde financeira no setor bancário brasileiro, seja a instituição de que porte for. “Depois do sufoco que foi no caso do Panamericano, não vai acontecer isso novamente”, garantiu. A Caixa adquiriu parte do banco do Grupo Silvio Santos, que estava sendo investigado por fraudes financeiras. O negócio foi de 740 milhões de reais e acabou passando pela fiscalização do Ministério Público e do Tribunal de Contas da União (TCU).

Continua após a publicidade

Segundo essa fonte, a volta da lei que libera os bancos oficiais a adquirirem outras empresas tem relação com a possibilidade de abrir capital do IRB, da área de seguros da Caixa e de outros negócios não financeiros, que, mesmo assim, precisam passar pelo crivo do Banco Central.

Leia mais:

Dilma sanciona limite maior do crédito consignado

De olho em receita, prefeitos apoiam CPMF com alíquota de 0,38%

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade