Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Governo põe as cartas na mesa para regulamentar trabalho via Uber e iFood

Novas regras estudadas pelo Ministério do Trabalho visam contribuição à Previdência por parte das plataformas a motoristas e entregadores

Por Diego Gimenes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 22 ago 2023, 11h45 - Publicado em 21 ago 2023, 16h36

O governo federal vai colocar na mesa uma proposta de regulamentação do trabalho de motoristas e entregadores por aplicativo — como Uber e iFood. Uma das promessas de campanha do então candidato à presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, era o reconhecimento do vínculo empregatício entre as partes envolvidas. As discussões se arrastam há meses e o ministério do Trabalho começa a colocar as cartas na mesa para a chegada a um acordo.

A pasta chefiada por Luiz Marinho ainda não fechou os termos, mas trata como ponto-chave a proteção social aos trabalhadores. Em outras palavras, projeta que haja contribuição à Previdência Social, independentemente do formato a ser adotado. Seja por meio do reconhecimento formal do vínculo empregatício, via as normas da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), ou mesmo pela contribuição autônoma, o ministério deseja que as empresas arquem com ao menos parte desses custos.

“Vamos estabelecer que não existam jornadas excessivas que levem a acidentes e doenças. É preciso estabelecer um mínimo de remuneração, os trabalhadores precisam ter essa segurança. O acesso à proteção social e à Previdência Social é fundamental. A contribuição patronal deve acontecer por parte das plataformas. Só é preciso precificar esses preceitos”, disse Luiz Marinho em entrevista ao programa VEJA Mercado.

A proposta atualmente é discutida entre trabalhadores e empresas e pode ser apresentada entre os meses de agosto e setembro. Marinho destaca que o modelo via vínculo empregatício não é o preferido das plataformas, mas que é preciso chegar a um acordo. “O melhor sistema é quando a empresa tem vínculo empregatício e acordo coletivo de trabalho, como algumas empresas têm em São Paulo. Isso facilita bastante, mas existe a possibilidade do regime autônomo. Só que, no sistema autônomo, as empresas também terão de contribuir de alguma forma na hora da contratação”, concluiu.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.