Clique e assine com até 92% de desconto

Facebook diz que Apple proibiu rede de informar usuários sobre taxa de 30%

Pequenas empresas que usarem a ferramenta para eventos on-line terão que pagar a taxa; segundo o Facebook, a Apple diz que informação é irrelevante

Por Josette Goulart Atualizado em 28 ago 2020, 10h49 - Publicado em 28 ago 2020, 10h15

A taxa de 30% que a Apple cobra sobre quem comercializa qualquer coisa dentro dos aplicativos que estão na App Store entrou em definitivo na pauta. Agora foi o Facebook que jogou a tal taxa no ventilador. A empresa disse à agência de notícias Reuters na noite de quinta-feira que a companhia fundada por Steve Jobs mandou remover a mensagem que informava aos usuários sobre a cobrança da taxa em uma nova ferramenta de eventos online da rede social. Segundo o Facebook, a Apple teria citado uma regra de sua loja que impede os desenvolvedores de mostrar informações “irrelevantes” aos usuários. E assim, o Facebook não poderá informar às empresas que vão usar a ferramenta de eventos que, de tudo o que faturarem, 30% irá para a Apple se elas estiverem usando um iPhone ou computador Mac. “Agora, mais do que nunca, devemos ter a opção de ajudar as pessoas a entender para onde vai o dinheiro”, disse o Facebook no comunicado à Reuters. A empresa disse ainda que está trabalhando para disponibilizar esta informação de alguma forma dentro do aplicativo para seus usuários.

Facebook ilustrou como informaria usuários sobre taxa da Apple Facebook/Reprodução

A ferramenta de eventos online foi lançada em meados de agosto dentro de um projeto do Facebook para ajudar pequenas e médias empresas a incrementar receita durante a pandemia da Covid-19. No seu release de lançamento da ferramenta, em 14 de agosto, a rede social já dizia que tinha pedido à Apple que reduzisse a taxa de 30% na App Store ou que permitisse que o Facebook pudesse absorver os custos por meio do Facebook Pay. A empresa fundada por Steve Jobs não teria aceito e  com isso as clientes do Facebook que usassem a plataforma receberiam apenas 70% da receita conquistada. “Enquanto o Facebook está isentando taxas para eventos online pagos, deixaremos outras taxas claras no produto”, dizia o comunicado seguido de uma foto que mostrava uma simulação do fluxo de pagamento no iPhone e no aplicativo Android. No iPhone, a nota de rodapé que dizia que a Apple pegaria 30%. No Android, a nota de que o Facebook não cobraria nenhuma taxa.

A Apple está enfrentando um processo anticoncorrencial nos Estados Unidos, movido pela Epic Games, justamente por conta de sua taxa de 30%. O Fortnite, um jogo famoso criado pela empresa, foi banido da loja de apps da Apple depois que sua nova versão foi ao ar e permitia a troca de criptomoedas sem ter que passar pelo aplicativo e com isso pagar os 30%. As empresas de jornalismo americanas também  estão questionando a Apple sobre como podem pagar menos dos que os 30%, já que o presidente da Apple, Tim Cook, disse durante sessão no Congresso americano que algumas empresas pagam menos, como a Amazon.

  • ASSINE VEJA

    A esperança dos novatos na bolsa Leia nesta edição: a multidão de calouros no mercado de ações, a ‘lista negra’ de Bolsonaro e as fraudes na pandemia
    Clique e Assine
    Publicidade