Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Em dia de Copom, dólar sobe e passa de R$ 4,10

Incertezas dos investidores sobre a decisão do BC sobre a taxa de juros puxam alta da moeda americana

Por Da Redação 20 jan 2016, 12h17

O dólar está em alta desde o início desta quarta-feira e, durante a manhã, chegou a atingir 4,10 reais pela primeira vez desde setembro do ano passado. Os investidores estão incertos sobre que caminho o Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, tomará na reunião desta quarta-feira, em que decidirá a nova taxa básica de juros do país.

Por volta de 16h20, a moeda americana subia 1,70%, sendo negociada por 4,12 reais. O maior nível antes do fechamento do dólar foi registrado em 29 de setembro, quando alcançou a moeda alcançou 4,15 reais.

“Não é só uma questão de fluxo”, disse o operador de uma corretora nacional, referindo-se ao fato de que juros mais altos tendem a atrair para o Brasil recursos externos. “É também uma questão de incerteza, de não saber qual vai ser o quadro macroeconômico daqui a uma semana.”

O quadro de aversão ao risco nos mercados globais, criado por mais um tombo nos preços do petróleo, também alimenta a alta da moeda americana. “Prevalece a aversão a risco nos mercados internacionais. O petróleo não para de cair e todo alívio tem se mostrado temporário”, disse o operador da corretora Correparti Guilherme França Esquelbek.

Leia também:

Incertezas econômicas e terrorismo marcam debates em Davos

Continua após a publicidade

Após fala de Tombini, decisão sobre juros nesta quarta virou grande incógnita

O petróleo nos Estados Unidos atingiu sua menor cotação desde 2003, refletindo a sobreoferta nos mercados globais e expectativas de demanda fraca diante da fraqueza no crescimento econômico global.

O recuo da commodity arrastou consigo as bolsas chinesas, ofuscando expectativas de estímulos econômicos. Preocupações com a saúde da segunda maior economia do mundo também vêm contribuindo para a apreensão nos mercados globais.

O BC brasileiro realizou nesta manhã mais um leilão de rolagem dos swaps cambiais que vencem em 1º de fevereiro, vendendo a oferta total de até 11,6 mil contratos. Até o momento, a autoridade monetária já rolou o equivalente a 7,329 bilhões de dólares, ou cerca de 70% do lote total, que corresponde a 10,431 bilhões de dólares.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade