Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dólar sobe com piora externa e fator técnico

Por Silvana Rocha

São Paulo – O dólar começou a semana em alta ante o real e as principais moedas internacionais, diante da retomada da aversão ao risco nos mercados. A falta de previsão de um acordo para a reestruturação da dívida da Grécia, os dados fracos da economia na zona do euro e novos indicadores norte-americanos reafirmando o ritmo lento da recuperação do país minaram o sentimento dos investidores sobre as perspectivas para o crescimento econômico global. Assim, eles aproveitaram a queda recente da moeda norte-americana para ajustar posições.

Um fator técnico local também favoreceu o avanço do dólar hoje. Como os bancos estão carregando posição comprada em dólar à vista de cerca de US$ 6,6 bilhões e os investidores estrangeiros, de cerca de US$ 1,6 bilhão, a subida do dólar lhes interessa porque apostaram na alta da moeda. Sobretudo porque amanhã será formada a taxa Ptax de fim de mês, que servirá para a liquidação do dólar fevereiro de 2012 na quarta-feira, dia 1º. Quanto mais alta fechar a Ptax amanhã, maior poderá ser o ganho desses agentes financeiros. Hoje, a Ptax de venda terminou com ganho de 0,42%, a R$ 1,7509.

Nesta segunda-feira, o dólar à vista oscilou com sinal positivo o tempo todo e fechou a R$ 1,7490 (0,40%) no balcão, após encerrar na sexta-feira no menor valor desde 4 de novembro, a R$ 1,7420. No mês e ano, a perda acumulada é de 6,42%. Na BM&F, o dólar spot terminou com avanço de 0,47%, para R$ 1,750. O giro financeiro total registrado na clearing de câmbio até 16h30 somava US$ 2, 631 bilhões, dos quais US$ 1,878 bilhão em D+2.

No exterior, a frustração com a falta de um acordo entre a Grécia e os credores privados no fim de semana tirou força do euro, que encerrou na última sexta-feira acima de US$ 1,32 justamente amparado na esperanças de um desfecho para o impasse grego. Hoje, o Conselho Europeu reunido em Bruxelas informou que aguarda uma atualização sobre a economia da Grécia pela troica – as três instituições (BCE, FMI e União Europeia) que monitoram o pacote de ajuda aos gregos.