Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Déficit em contas públicas é o maior já registrado em setembro

Rombo no mês passado foi de 26,6 bilhões de reais, de acordo com o Banco Central

Por Da redação Atualizado em 31 out 2016, 16h30 - Publicado em 31 out 2016, 12h29

As contas públicas consolidadas, conjunto formado por União, estados e municípios, registrou déficit primário – receitas menos despesas, sem considerar os gastos com juros – de 26,64 bilhões de reais em setembro, informou o Banco Central nesta segunda-feira. Esse foi o pior resultado para o mês na série histórica, iniciada em dezembro de 2001.

O resultado do mês superou o déficit primário de 7,31 bilhões de reais de setembro de 2015. Nos nove meses do ano, o resultado negativo chegou a 85,50 bilhões de reais; no mesmo período do ano passado, o rombo foi de 8,42 bilhões de reais.

No intervalo de doze meses encerrado em agosto, o déficit primário ficou em 188,32 bilhões de reais, o que corresponde a 3,08% do produto interno bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país.

Em setembro deste ano, o Governo Central (Previdência, Banco Central e Tesouro Nacional) registrou déficit primário de 26,49 bilhões de reais. Os governos estaduais também apresentaram resultado negativo, com déficit primário de 157 milhões de reais, e os municipais, déficit de 141 milhões de reais. As empresas estatais federais, estaduais e municipais, excluídas empresas dos grupos Petrobras e Eletrobras, tiveram superávit primário de 154 milhões de reais no mês passado.

Em setembro, os gastos com juros nominais ficaram em 40,45 bilhões de reais, montante menor que os 69,99 bilhões de reais do mesmo mesmo mês de 2015. De janeiro a setembro, as despesas atingiram 295,03 bilhões de reais. Em doze meses encerrados em setembro, as despesas com juros ficaram em 388,5 bilhões de reais, o que corresponde a 6,35% do PIB.

O déficit nominal – formado pelo resultado primário e pelos resultados de juros – ficou em 62,94 bilhões de reais no mês passado. Nos nove meses do ano, o resultado negativo foi de 380,53 bilhões de reais, rombo menor que os 416,74 bilhões de reais do mesmo período de 2015. Em doze meses encerrados em setembro, o déficit nominal atingiu 576,82 bilhões de reais, o que corresponde a 9,42% do PIB.

A dívida líquida do setor público – balanço entre o total de créditos e débitos dos governos federal, estaduais e municipais – somou 2,69 trilhões de reais em setembro, o que corresponde a 44,1% do PIB; em agosto, a proporção foi de 43,3%. A dívida bruta (contabiliza apenas os passivos dos governos federal, estaduais e municipais) chegou a 4,32 trilhões de reais, ou 70,7% do PIB, com elevação de 0,6 ponto porcentual em relação a agosto.

(Com Agência Brasil)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)