Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Contas do governo têm pior resultado em julho desde 1997

Resultado primário do governo central ficou negativo em R$ 2,2 bilhões em julho, informou o Tesouro Nacional; no acumulado do ano, superávit é de R$ 15,23 bilhões

Por Da Redação
29 ago 2014, 11h03

O governo central (formado pelas contas do Tesouro, do Banco Central e da Previdência Social) registrou déficit primário de 2,196 bilhões de reais em julho, o pior resultado para o mês desde o início da série histórica, em 1997, informou o Tesouro Nacional nesta sexta-feira. Nos sete primeiros meses do ano, a economia feita para o pagamento de juros acumula saldo positivo de apenas 15,23 bilhões de reais.

O resultado fiscal é a diferença entre os gastos e receitas do governo central. Quando as receitas superam as despesas, há o superávit primário, usado para arcar com os juros da dívida. A deterioração das contas públicas tem sido motivo de apreensão tanto no governo quanto para investidores. O resultado de 2014 é, inclusive, pior do que o verificado em 2008 e 2009, anos de crise, em que a arrecadação foi penalizada e o governo teve de financiar políticas anticíclicas para amenizar os efeitos da crise financeira internacional.

O que é?

O resultado primário é diferença entre os gastos e receitas do governo central, formado por Tesouro, Banco Central e Previdência Social. Se essa diferença for positiva, o resultado é chamado de superávit primário. Se for negativa, é déficit primário.

Em julho, a Previdência Social apresentou déficit de 4,996 bilhões de reais, segundo o Tesouro. Já a arrecadação de impostos e contribuições teve o pior resultado para o mês desde 2010, ao somar 98,82 bilhões de reais. Em relação a junho deste ano, as receitas subiram 8,12%, mas, ante julho do ano passado, caíram 1,6%.

O governo central fica distante de cumprir a meta fiscal do segundo quadrimestre, de maio a agosto, de 39 bilhões de reais.

Continua após a publicidade

Leia também:

Economia brasileira entra em recessão com recuo de 0,6% no segundo trimestre

Arrecadação soma R$ 98,8 bi em julho – pior resultado no mês desde 2010

Tesouro desembolsa apenas um terço dos repasses no 1º semestre

O resultado ruim mostra que as contas públicas seguem influenciadas pela economia fraca, o que tem levado o governo a recorrer às receitas extraordinárias para tentar fechar suas contas. Neste ano, a projeção é de que elas somarão 31,6 bilhões de reais. Também têm pesado as fortes desonerações tributárias que, no semestre passado, somaram cerca de 51 bilhões de reais, quase 45% a mais do que em igual período de 2013.

Continua após a publicidade

Em 2014, a meta de superávit primário do setor público consolidado (a soma das contas do governo central, Estados, municípios e estatais) é de 99 bilhões de reais, o equivalente a 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB).

Leia ainda:

Tesouro desembolsa apenas um terço dos repasses no 1º semestre

Tesouro atrasa repasse de R$ 19,5 bilhões a programas sociais

Governo desconsidera fazer reforma tributária dos Estados em 2014

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.