Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Lula desagrada Congresso em escolha por responsabilidade fiscal

Veto à desoneração da folha que beneficiaria 17 setores teria uma custo anual R$ 9,4 bilhões aos cofres públicos; medida já gerou perdas de R$ 140 bilhões

Por Luana Zanobia
Atualizado em 24 nov 2023, 10h21 - Publicado em 24 nov 2023, 10h08

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva surpreendeu o cenário político ao vetar integralmente o projeto que propunha a desoneração da folha de pagamento de 17 setores estratégicos da economia brasileira. A medida, que buscava aliviar os encargos das empresas e fomentar a geração de empregos, gerou reações intensas na Câmara dos Deputados e no Senado.

Parlamentares, incluindo líderes partidários, estão mobilizados para reverter o veto na próxima sessão do Congresso Nacional, ainda sem data marcada. A expectativa é de uma intensa batalha entre os que defendem a desoneração como impulso à economia e os que apoiam o veto presidencial em nome da responsabilidade fiscal.

O governo seguiu as recomendações do Ministério da Fazenda e do Planejamento, argumentando que a desoneração seria inconstitucional ao criar renúncia de receita sem apresentar impacto e ferindo a Lei de Responsabilidade Fiscal. A medida representaria um custo anual de R$ 9,4 bilhões, segundo dados oficiais. Somando as desonerações anteriores, o país já teria aberto mão de cerca de R$ 140 bilhões em receitas públicas.

Deputados e senadores, no entanto, rebatem esses argumentos, enfatizando que a desoneração resultou em alívio para as empresas e na criação de empregos. Os segmentos beneficiados são responsáveis por 9 milhões de empregos formais.  

A deputada federal Any Ortiz (Cidadania-RS), relatora do projeto na Câmara, considerou o veto um erro e um “tiro no pé” do governo, alertando para consequências em diversos setores econômicos.

Continua após a publicidade

O vice-presidente do Senado, Veneziano Vital do Rego (MDB-PB), acredita na possibilidade de derrubada do veto, dado o amplo apoio da proposta nas duas Casas do Congresso. A prorrogação da desoneração da folha de pagamentos até 2027 foi aprovada por esmagadora maioria, com 430 votos a favor na Câmara e votação simbólica no Senado.

A proposta substituía a contribuição previdenciária patronal por alíquotas de 1% a 4,5% sobre a receita bruta em 17 setores-chave, como têxtil, calçados, construção civil e tecnologia. A perspectiva de encerramento da desoneração no final deste ano traz preocupações com o aumento da inflação e a previsão de fechamento de 1 milhão de postos de trabalho.

Estudos indicam que a perda de arrecadação para a Previdência Social, sem a desoneração, seria significativa, chegando a R$ 45,7 bilhões entre 2018 e 2022. O contexto atual do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) é de saldo negativo, evidenciando a importância da medida para a estabilidade do sistema previdenciário. A batalha entre Executivo e Legislativo promete ser intensa nas próximas semanas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.