Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Como alimentos e bebidas foram os vilões da inflação em 2022

Com alta de 11,64%, grupo representou 41,6% da alta do IPCA no ano; cebola foi o alimento com maior alta, de mais de 150% em alguns estados

Por Luisa Purchio Atualizado em 10 jan 2023, 13h19 - Publicado em 10 jan 2023, 12h56

Como divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira, 10, o Índice Geral de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) teve alta de 5,79% em 2022, sendo que a principal pressão sobre a inflação veio de alimentos e bebidas. Esses itens cresceram 11,64% no ano, representando 2,41 pontos percentuais dos 5,79%, ou seja, 41,6% segundo o IBGE.

No ano anterior, o principal “vilão” da inflação fora a gasolina, que correspondeu a 2,34 pontos percentuais da alta de 10,06% do IPCA em 2021. Em 2022, no entanto, a desoneração dos impostos sobre os combustíveis feitas pelo governo de Jair Bolsonaro aliviou o preço da gasolina. Somado à queda do petróleo no mercado internacional no segundo semestre, o preço do grupo dos combustíveis de veículos caiu 23,87% em 2022, enquanto a gasolina retraiu 25,78%.

A alimentação no domicílio, por sua vez, cresceu 13,23%, sendo que o alimento que teve maior alta em 2022 foi a cebola, com média de 130,14% no país e chegando a 171,45% em Belém do Pará. Mas outros itens também tiveram alta considerável, como foi o caso do inhame, com 62,96%, da farinha de mandioca, com 38,56%, do milho em grão, com 35,24%, e da farinha de trigo, com 31%. Leites e derivados em geral subiram 22,07%, enquanto frutas tiveram alta de 24%.

Diversas razões explicam a alta dos alimentos em 2022, entre elas, a guerra da Rússia com a Ucrânia, países que são responsáveis por quase 30% da exportação de cereais do planeta, sendo que a Rússia é a maior exportadora mundial de trigo. “Houve uma concentração muito grande por busca de cereais nas Américas, em especial, no Brasil”, diz Matheus Pereira, diretor da Pátria Agronegócios. Como o trigo é matéria básica para diversos alimentos, como pães, biscoitos e massas, isso acabou gerando um efeito cascata em demais itens da cesta.

Continua após a publicidade

Além disso, a seca no Brasil prejudicou as safras, elevando os preços dos produtos. “Houve redução dos índices pluviométricos para todos os produtores de soja e milho do planeta, o que acabou gerando uma maior sobrecarga de demanda por quem tem o grão disponível”, diz Pereira. Em 2022, o Brasil acabou sendo um funil de concentração de demanda por milho, uma vez que o preço é vantajoso para os compradores internacionais. A mudança no clima também prejudicou a cultura de hortaliças, frutas e legumes, enquanto a redução das chuvas prejudicou as pastagens, elevando o preço do leite e seus derivados.

Outros fatores que encareceram os alimentos foram o preço do petróleo no mercado internacional, que impacta em diversos custos para os produtores, como adubos, fertilizantes, e no combustível para maquinário e transporte dos produtos. Apesar de, no segundo semestre de 2022, a cotação do petróleo cair em todo o planeta, ele atingiu em maio 120 dólares o barril tipo Brent, gerando um impacto forte no IPCA acumulado no ano.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.