Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Caixa atrasa divulgação de balanço por exigência de auditores e do BC

Segundo o Banco Central e a Ernst Young, banco estatal atribuiu a algumas carteiras um risco menor que o recomendado, o que interfere no lucro

Por Da Redação 29 Maio 2015, 13h52

A Caixa Econômica Federal atrasou a divulgação do balanço do primeiro trimestre em mais de 15 dias, devido a exigências do Banco Central (BC) e da auditoria Ernst Young. Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, as cobranças se voltam à classificação de risco dos empréstimos do banco.

As carteiras de crédito do banco são classificadas em nove níveis: quanto maior o risco, maior deve ser a provisão para perdas (reserva de recursos para eventual calote). A porcentagem de reserva obrigatória varia de 0 a 100%. Conforme o BC e a auditoria, a Caixa atribuiu a algumas carteiras um risco menor que o recomendado. O banco terá, portanto, de mudar a classificação e reservar provisões maiores, o que deve diminuir o lucro do período.

Uma das linhas que mais exigem provisões é a de financiamentos do Minha Casa Melhor, de compra de móveis e de eletrodomésticos com juros subsidiados, suspensa em fevereiro. Lançada em junho de 2013, permitia empréstimos de até 5 mil reais com juros de 5% ao ano. Outra linha com inadimplência elevada é a de compra de material de construção.

Leia mais:

Caixa deve reduzir em 20% crédito para casa própria

Continua após a publicidade

Bradesco passa HSBC e lidera ranking de reclamações do BC em abril

Governo quer punir banco que emprestar pouco para habitação

Também chamou a atenção o aumento dos gastos da Caixa com marketing, o que levou à desistência de novos patrocínios, especialmente a times de futebol. Segundo a Folha, a pendência com o BC já foi solucionada, mas as exigência com a Ernst Young ainda exige pequenos ajustes contábeis.

O impasse deve ser superado na próxima semana e a expectativa é que o balanço seja publicado sem ressalvas dos auditores. No ano passado, a Caixa teve lucro de 7,1 bilhões de reais, resultado 5,55% maior do que 2013.,

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade