Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

BCE mantém as taxas de juros no mínimo histórico de 0,75%

Taxa de juros marginal de crédito, à qual empresta o dinheiro a um dia, também ficou inalterada em 1,5%

Por Da Redação 4 out 2012, 10h34

O Banco Central Europeu (BCE) decidiu manter as taxas de juros reitoras na zona do euro no mínimo histórico de 0,75%, apesar das dificuldades que atravessam alguns países. O BCE informou, nesta quinta-feira, que o Conselho de Governo também decidiu deixar inalterada a taxa de juros da facilidade marginal de crédito, à qual empresta o dinheiro a um dia, em 1,5% e da facilidade de depósito, a que remunera o dinheiro, em 0%.

A maioria dos analistas previa que o BCE manteria sua taxa de juros, já que na situação atual passa a ideia de que um corte quase não serviria para impulsionar o crédito nos países com problemas de refinanciamento. Os mercados também descartam que o BCE vá anunciar novas medidas não convencionais para enfrentar a crise.

O presidente do BCE, Mario Draghi, explicará em entrevista coletiva detalhes das deliberações do principal órgão executivo da entidade monetária europeia que hoje se reuniu em Liubliana, na Eslovênia. Duas vezes ao ano celebra sua reunião de política monetária fora da sede central em Frankfurt.

Leia mais:

BCE: zona do euro vai crescer menos do que previsto

Plano de compra de ativos deve ser acompanhado por ações governamentais, diz membro do BCE

Continua após a publicidade

Documento da UE diz que BCE poderá fechar bancos

Desemprego bate recorde na zona do euro em julho

Vendas no varejo da zona do euro recuam 0,2% em julho

Grã-Bretanha – O Banco da Inglaterra (BoE) também manteve as taxas de juros em 0,5% e adotou um programa de emissão de dinheiro para a reativação do mercado creditício. Os mercados preveem que Draghi anunciará algumas das condições que vai exigir aos países com dificuldades de financiamento para comprar dívida soberana.

Draghi disse no início de setembro que o BCE levará em conta uma série de variáveis para avaliar o grau de fragmentação de seu impulso monetário como o nível das rentabilidades, os diferenciais, a volatilidade e as condições de liquidez na zona do euro.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade