Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Após prisão de executivos, S&P rebaixa nota de crédito da Odebrecht

Em comunicado, agência de classificação de risco disse que rebaixamento da nota, de BBB para BBB-, reflete maiores riscos relacionados à reputação

A agência de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P) rebaixou a nota de crédito em escala global da Odebrecht Engenharia e Construção de BBB para BBB-. A perspectiva permanece negativa. Em comunicado, a S&P informou que o rebaixamento reflete a exposição da companhia a maiores riscos relacionados à sua reputação, após a prisão de cinco de seus executivos, incluindo o presidente da controladora, Marcelo Odebrecht, na semana passada.

“Nós não vemos a prisão de Marcelo Odebrecht, presidente do grupo, como um problema para as operações e atividades do dia a dia da empresa. Ainda assim, o aumento dos riscos relacionados à reputação desencadearam um rebaixamento para o mesmo nível do rating soberano (do Brasil)”, disse em nota a S&P, acrescentando que o equilíbrio patrimonial da companhia, assim como sua “forte” liquidez, continuam a mitigar riscos de curto prazo.

“Entretanto, neste momento estamos menos certos de que a empresa poderia passar por um teste de estresse relacionado a um calote soberano. Da mesma forma, não vemos mais uma probabilidade ‘considerável’ de que a companhia não irá ficar inadimplente caso o mesmo aconteça com o país.”

Ainda segundo a S&P, a perspectiva negativa reflete a probabilidade (uma chance em três) de um novo rebaixamento nos próximos 18 a 24 meses, em meio ao crescimento dos riscos relacionados às investigações de corrupção sobre diversas empreiteiras brasileiras. A perspectiva também reflete uma maior exposição da companhia ao riscos soberanos, como condições econômicas em países que ela opera, como Venezuela e Angola.

Leia mais:

Alvo da 14ª fase da Lava Jato, Odebrecht já sofre efeitos no mercado

Por formação de cartel, Odebrecht pode receber multa de R$ 1,4 bilhão

Em comunicado, Odebrecht se diz ‘indignada’ com prisões

Em paralelo, os ratings em escala nacional de longo e curto prazo foram reafirmados em, respectivamente, brAAA e brA-1+. A perspectiva para esta nota de longo prazo, no entanto, foi revisada de estável para negativa.

(Com Estadão Conteúdo)