Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A primeira derrota de Milei: clubes rejeitam adoção de SAF na Argentina

Os clubes argentinos votaram contra a implementação de clubes-empresa em Assembleia realizada na AFA em votação unânime

Por Pedro Gil
24 nov 2023, 15h16

Os clubes argentinos votaram contra a implementação da SAF (Sociedade Anônima do Futebol) no estatuto de futebol do país em Assembleia realizada na AFA nesta semana. A votação foi unânime: 45 votos a 0, com ausência de apenas uma equipe, o Talleres.

Esse movimento se deu quando o presidente eleito da Argentina, Javier Milei, afirmou durante debate público que os times argentinos deveriam adotar os modelos de SAF que deram certo em outros países, principalmente europeus, para conter a crise financeira que assola a maioria dessas agremiações. Imediatamente, e guiados pelas potências mais tradicionais do país, casos de Boca Juniors, River Plate, Independiente e Racing, começou um movimento ‘orquestrado’ contrário ao pensamento do novo mandatário argentino. “As SAF’s não têm existência jurídica. É algo que alguns vêem como superior ao que nós temos. Se não tivéssemos os clubes cumprindo a função que cumprem, não seríamos os que somos, somos defensores das Associações Civis sem fins lucrativos e procuramos fixar uma posição institucional, como vocês manifestaram publicamente”, declarou Claudio Tapia, presidente da Associação do Futebol Argentino.

Eduardo Carlezzo, advogado especializado em direito desportivo e sócio do Carlezzo Advogados, entende que a opção dos clubes argentinos em vetar a criação das sociedades anônimas “é completamente equivocada”. Ele explica:”Sobretudo quando analisamos o contexto vivido por lá de hiperinflação, dólar nas alturas, falta de recursos para investimento, empobrecimento contínuo da população, entre outros fatores negativos que também impactam no futebol e tornam quase que impossível colocar em prática um crescimento orgânico e sustentável das receitas, sem depender de capital externo”.

Nos últimos dias, o ex-presidente Maurício Macri, que também comandou o Boca Juniors, apelou para que os clubes adotassem o modelo que já está em vigência no Brasil, por exemplo. “Para clubes que estão nestas condições não há alternativa: é SAF ou continuar a ser um mero gestor do aumento do endividamento”, diz Carlezzo, que fez parte do projeto de SAF de clubes tradicionais do Chile e também do Brasil.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.