Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Ricardo Rangel

Continua após publicidade

Lula trata Haddad pior do que tratou Palocci

O ministro da Fazenda não merecia esse tratamento. Mas a conduta de Lula não surpreende.

Por Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 10 Maio 2024, 08h13 - Publicado em 31 out 2023, 19h48

Fernando Haddad não merecia isso. Ministro incansável, mas que não faz nada sem combinar com Lula, Haddad é um escudeiro tão fiel que, mesmo candidato a presidente, em 2018, ia toda semana visitar Lula na cadeia para prestar contas e receber instruções. Entre todos os ministros, é o que dá mais credibilidade ao governo — ou dava, já que a credibilidade se foi.

Mesmo sem ter nada a ganhar, e apesar da certeza de criar uma crise, Lula optou por atropelar e humilhar seu melhor ministro. Mas não chega a surpreender. Lula sempre administrou pelo conflito e nunca deixou uma liderança petista brilhar forte.

Seja como for, ganhou Rui Costa, chefe da Casa Civil, que quer licença para gastar. A disputa entre a Fazenda e a Casa Civil lembra um episódio durante o primeiro mandato de Lula, quando o ministro da Fazenda Antonio Palocci conduzia a economia com a mão firme e o olho no equilíbrio fiscal.

Em novembro de 2005, houve uma reunião em que o ministro do Planejamento Paulo Bernardo apresentou um plano para limitar o crescimento de gastos ao crescimento do PIB. Seria o “teto de gastos” de Lula. A recém-empossada (após a queda de José Dirceu) chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, não gostou. E deu entrevista dizendo que o plano apresentado era “rudimentar”. Foi além: “despesa é vida”, disse.

Continua após a publicidade

Dilma atirou em Paulo Bernardo, mas o alvo era Palocci, e acertou em cheio. Lula deveria ter defendido a política econômica de Palocci, que era a política de seu governo, mas fechou-se em copas. Dilma ganhou.

Em março de 2006, quando Palocci caiu (por conta do escândalo do caseiro Francenildo), sua política econômica já estava condenada. No mesmo mês, saíram Joaquim Levy e Murilo Portugal; Marcos Lisboa, mais impaciente, saiu ainda em 2005.

Dilma prevaleceu junto com sua visão econômica: o novo ministro, Guido Mantega, implantou a “Nova Matriz Econômica”. Que causaria uma devastação fiscal, levaria inflação, juro e desemprego aos píncaros e derrubaria Dilma.

Continua após a publicidade

O filme em que o PT levou o Brasil à lona começou muito parecido comeste, cujo início estamos vendo agora. Vamos torcer para a projeção ser interrompida o quanto antes.

Em tempo. Um caso diferente. Em 2 de setembro de 1999, o ministro do Desenvolvimento de FHC, Clóvis Carvalho, pediu mais “ousadia” à equipe econômica, dizendo que o “excesso de cautela” naquele momento era sinônimo de covardia. O alvo era Pedro Malan. Clóvis era amigo próximo de FHC, mas foi demitido. No dia seguinte.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.