Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Entidades querem desconto maior a microempresas no refis da crise

Entidades defendem alteração do projeto de lei que flexibiliza o pagamento de débitos tributários

Por Manoel Schlindwein Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 10 jun 2020, 14h32

Separar o bom do mau pagador. É essa a proposta de Refis que entidades sugerem para ajudar a manter de pé as empresas frente à crise causada pelo coronavírus.

Diferentemente do projeto de lei 2735/2020, do deputado Ricardo Guidi (PSD/SC), que concede anistia para “débitos futuros”, o que pode gerar inadimplência e injustiça fiscal, a Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais e a Associação dos Agentes Fiscais de Rendas do Estado de São Paulo propõem um Refis aplicável para pagamento de juros e multa, não atingindo o crédito tributário principal.

O projeto de lei que tramita na Câmara institui (respire fundo) o Programa Extraordinário de Regularização Tributária da Secretaria da Receita Federal do Brasil e da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional. Ele prevê perdão de até 90% das dívidas, inclusive daquelas contraídas até o final da crise sanitária.

As entidades sugerem reduções maiores para micro e pequenas empresas, responsáveis pela maior parte dos empregos no Brasil. Os descontos devem variar de 80% a 100% dependendo da modalidade da empresa, da quantidade de parcelas e do setor de atuação. No caso de débitos parcelados, pode ser aplicado um desconto ainda maior de juros e multa para quem assumir o compromisso de não demitir funcionários durante a vigência do parcelamento.

Continua após a publicidade

“O modelo que propomos é uma medida eficaz das Administrações Tributárias Estaduais no enfrentamento do impacto econômico e fiscal decorrente da Covid-19, resguardando empregos, salários e a sobrevivência dos contribuintes, apoiando pequenos e micro negócios e proporcionando capital de giro para as empresas”, explica Rodrigo Spada, presidente de ambas as instituições.

“Esse modelo se aplica a contribuintes com histórico de adimplência com o Estado e que cumpram as obrigações tributárias futuras, durante o parcelamento. Assim, ajudamos o bom pagador e desestimulamos aqueles que, rotineiramente, postergam pagamentos de tributos”, completa Spada.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.