Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Victor Irajá
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

Saída para a Zona Franca depende de narrativa política, dizem industriais

Representantes da indústria amazonense mantém otimismo apesar de indefinições

Por Felipe Erlich
Atualizado em 23 out 2023, 16h42 - Publicado em 23 out 2023, 15h17

Está consolidado na reforma tributária do consumo que a Zona Franca de Manaus (ZFM) continuará com benefícios para, segundo defensores da manutenção, manter a competitividade do polo industrial. Resta saber, contudo, qual será o caminho adotado para garantir a excepcionalidade. “É uma questão que depende de uma avaliação política, está nas mãos dos senadores. De todo modo, estamos otimistas com o andamento da discussão”, diz Luiz Augusto Rocha, presidente do conselho do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (CIEAM), em entrevista ao Radar Econômico.

O relator da reforma e senador pelo Amazonas, Eduardo Braga (MDB), sinalizou que a cobrança do Imposto Seletivo (IS), conhecido como imposto do pecado, sobre produtos produzidos fora da ZFM e que tem equivalente produzido no polo não é uma boa saída. A indústria de Manaus defende outra ideia, a manutenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), que hoje confere benefício ao parque industrial, somente nessa região. Atualmente, a reforma inclui a extinção total do IPI. 

Jeanete Portela, membro do conselho do CIEAM e advogado tributarista, pontua que parte relevante da proposta dos industriais já foi, em alguma medida, contemplada pela reforma em discussão. Portela elenca a criação de um fundo para fomento da bioeconomia na Amazônia como exemplo, já presente no texto da reforma, a PEC 45. Também em tom otimista, o conselheiro diz que o diálogo entre a indústria manauara e técnicos críticos da ZFM, como nomes do Centro de Cidadania Fiscal (CCif), evoluiu substancialmente nos últimos meses. “Hoje o CCif aponta a manutenção do IPI na Zona Franca como um bom caminho. Como eles mesmos lembram, a maior dificuldade seria enfrentar a narrativa de que o IPI não acabou de verdade”, diz.

Siga o Radar Econômico no Twitter

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.