Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Powell dá um passo para trás e Ibovespa volta a subir

VEJA Mercado: Fed não estipula cronograma para alta de juros americanos e mercados respiram

Por Diego Gimenes Atualizado em 11 jan 2022, 18h37 - Publicado em 11 jan 2022, 18h34

VEJA Mercado | Fechamento | 11 de janeiro.

O presidente do Federal Reserve Bank (Fed), Jerome Powell, deu um passo para trás e tranquilizou os investidores ao avisar que os juros americanos não têm data para voltar a subir. Em audiência no Senado para sua recondução ao comando do Fed, ele afirmou que as decisões devem levar “entre duas e quatro reuniões para serem tomadas”, sem estipular um cronograma para tal. Para o mercado, que esperava uma mudança já para o próximo encontro do conselho, a notícia aliviou um pouco a pressão que os ativos de renda variável tem sofrido neste início de ano. “A inflação de dois dígitos trouxe a bolsa para baixo no início do dia, mas o índice ganhou tração com o desenrolar dos acontecimentos lá fora. Quanto mais tarde os juros subirem nos EUA, melhor para os mercados, sobretudo os de países emergentes, como o Brasil”, avalia Rodrigo Friedrich, chefe de renda variável da Renova Invest. O Ibovespa fechou em alta de 1,80%, a 103.778 pontos. O dólar cedeu 1,67%, a 5,579 reais. Lá fora, índices como o Nasdaq, de Nova Iorque, e o FTSE 100, de Londres, subiram 1,47% e 0,62%, nessa ordem.

O destaque de alta do dia na bolsa brasileira foi a Petz, que disparou 7,3%, a maior alta do dia, após o Bradesco iniciar a cobertura na companhia e enxergar um potencial de 80% no preço das ações frente ao fechamento de ontem ,10. As mineradoras e siderúrgicas parecem ainda não sentir os efeitos de uma crise que pode provocar efeitos mais graves na produção e no caixa caso as chuvas persistam em Minas Gerais. Usiminas e Vale fecharam em altas de 5,8% e 1,7%, respectivamente. Importante ressaltar que o minério de ferro tem tido sessões de alta na China. No porto de Qingdao, o avanço hoje foi de 3,2%, a 129,1 dólares a tonelada. No lado das baixas, os frigoríficos, que exportam grande parte de sua produção, sentiram os efeitos da queda do dólar nesta terça-feira. Além disso, a pressão do presidente americano Joe Biden para estimular a concorrência desse setor nos EUA também preocupa os investidores. Marfrig e JBS fecharam em quedas de 1,1% e 0,7%, respectivamente.

*Quer receber alerta da publicação das notas do Radar Econômico? Siga-nos pelo Twitter e acione o sininho.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês