Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico

Por Pedro Gil (interino)
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

Justiça arquiva investigações contra Fernando Haddad envolvendo Caixa 2

Caso envolvia eleições municipais para prefeitura de São Paulo em 2012

Por Victor Irajá Atualizado em 9 Maio 2024, 10h06 - Publicado em 22 fev 2024, 12h45

A Justiça Federal de São Paulo acolheu manifestação da Procuradoria da República da capital, que pediu o arquivamento da investigação policial por suposto Caixa 2 contra o atual ministro da Fazenda, Fernando Haddad, nas eleições municipais para Prefeitura de São Paulo em 2012. A investigação policial foi instaurada há quase uma década e teve como base as delações da Odebrecht e dos publicitários João Santa e Mônica Moura.

Ao fundamentar o pedido de arquivamento, o Ministério Público Federal afirmou que “a investigação não permite com segurança, quanto mais a se dizer, de maneira corroborada por provas para além de acordos, isolar e vincular pagamentos ilegais que sejam sem ambiguidade feitos à campanha objeto da presente investigação. Tanto assim, a se considerar apenas a materialidade do delito. Quanto à autoria, sua situação é ainda mais precária”.

“A investigação já se prolongava por longo tempo, sem qualquer conclusão ou indicação razoável contra os investigados e que o próprio Ministério Público, em sua promoção acima, alude à carência de materialidade como que de absoluta ausência de prova de autoria”, determinou a Justiça paulista. “O arquivamento do inquérito policial é irretocável e faz justiça a Fernando Haddad, após longos anos de espera. Mais uma vez demonstrou-se a inexistência de quaisquer irregularidades na sua campanha eleitoral de 2012. Todos os fatos foram exaustivamente investigados e, para além dos relatos contraditórios e inconsistentes dos delatores, não há nada que indique uma mínima mácula na conduta de Haddad”, dizem os advogados de Haddad, Pierpaolo Bottini e Tiago Rocha, em nota enviada à imprensa.

Em 2019, o Tribunal de Justiça de São Paulo determinou o arquivamento de ação penal instaurada a partir da delação Ricardo Pessoa, da UTC. Já em 2021, foi a vez do Ministério Público Estadual promover o arquivamento de inquérito policial instaurado a partir da colaboração premiada de José Aldemário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, uma vez que as declarações do colaborador não foram comprovadas pelas diligências nos autos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.