Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Victor Irajá
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

Administrador judicial pede um cão de guarda para vigiar a Itapemirim

Grupo que está em recuperação judicial lançou em junho sua empresa de aviação e neste mês atrasou o pagamento de salários da aérea

Por Josette Goulart
Atualizado em 13 ago 2021, 20h35 - Publicado em 13 ago 2021, 15h48

Quando lançou oficialmente sua companhia aérea, em maio, o dono da empresa Sidnei Piva disse ao Radar Econômico que investidores árabes fariam um aporte de 500 milhões de dólares na nova companhia. Mas ele mesmo informou que o sucesso do aporte dependia do fim da recuperação judicial da empresa de ônibus. Naquele mesmo mês, a empresa fez o pedido do fim do processo que corre na Justiça de São Paulo. De lá para cá, não só o juiz ainda não se decidiu sobre o fim da recuperação judicial, como os credores inundaram o Judiciário com reclamações.  Alguns credores pediram até mesmo a destituição da diretoria, alegando que dinheiro está sendo desviado para a companhia aérea.

Neste mês, o administrador judicial sugeriu que a Justiça coloque um watchdog na empresa, ou seja, um cão de guarda tipo pitbull para fiscalizar e vigiar os passos de todas as empresas do grupo. Ainda pede que a procuradoria da Fazenda seja chamada a explicar se fez algum acordo para uma dívida de 2 bilhões de reais da empresa. A Itapemirim alega que está com tudo em dia e os credores que não receberam é porque contestam valores. Mas os credores, como o Bradesco Saúde, reclamam que nem os valores já acertados estão sendo pagos.

Para piorar o voo, nesta semana veio a público o atraso no pagamento de salários da recém-criada companhia aérea. A companhia garante que o atraso  foi apenas uma questão técnica, quando a empresa resolveu centralizar os pagamentos em um único banco e que o problema já foi resolvido. Mas quando questionada sobre os investimentos árabes e o fim da recuperação judicial, a empresa agora se nega a comentar.

Em nota, o grupo Itapemirim disse: “Sobre a sugestão do Administrador Judicial, a EXM Partners, de colocar um watchdog “para fiscalizar e vigiar os passos de todas as empresas do grupo”, a Itapemirim informa que, desde o início da recuperação judicial, há um colaborador da empresa EMX Partners dedicado e com acesso a todo tipo de informação das empresas recuperandas. Hoje, é o sr. Francisco Martin, que trabalha nas instalações da Viação Itapemirim de segunda a sexta-feira. Ao peticionar dessa forma no processo, o Grupo Itapemirim entende que a EXM quer apenas tumultuar a saída do Grupo do processo de recuperação judicial.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.