Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Neuza Sanches

Por Neuza Sanches
Negócios, Mercados & Cia
Continua após publicidade

Exclusivo: WhatsApp é líder e está em 99% dos celulares no Brasil

Pesquisa inédita mostra que aplicativo é o principal distribuidor de conteúdo descentralizado dos brasileiros; Telegram cresce, mas não 'ameaça' o líder.

Por Neuza Sanches Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 24 ago 2022, 13h07 - Publicado em 24 ago 2022, 09h00

Pesquisa inédita obtida para esta coluna mostra a evolução dos principais aplicativos de mensagens entre os brasileiros. Líder inconteste, o WhatsApp mantém o primeiro lugar: ele roda hoje em 99% dos celulares em operação no país, de acordo com números tabulados pelo MobileTime em parceria com a empresa de pesquisas on-line Opinion Box. Na sequência, aparecem o Instagram (com uma participação de 86%, vindo de 82% na sondagem feita em fevereiro passado) e o Messenger (caiu de 71% para 70%, ainda dentro da margem de erro, de 2,2 pontos percentuais). Foram entrevistados 2.073 brasileiros com mais de 16 anos de idade entre os dias 13 e 27 de julho.

O Telegram, foco maior das preocupações do Tribunal Superior Eleitoral  (TSE) a menos de dois meses das eleições, também aparece na pesquisa. Proporcionalmente, foi o que apresentou o maior ritmo de crescimento: passou de 60%, em fevereiro, para 65% dos celulares em funcionamento no país. “Embora venha crescendo rapidamente, o Telegram ainda está longe do WhatsApp”, afirma Fernando Paiva, coordenador da pesquisa. Pesa contra o aplicativo criado em 2013 pelos irmãos Nikolai e Pavel Durov a pecha de ser uma espécie de “terra sem lei” quando se trata de moderação de conteúdo e distribuição de fake news.  No Brasil, a empresa costuma ignorar os chamados da Justiça e as notificações relacionadas às eleições.

Importante notar que a pesquisa da Mobile Time/Opinion Box ficou pronta poucos dias depois da divulgação do teor de um grupo específico de mensagens não no Telegram, mas no WhatsApp – justamente o líder de mercado. Nele, empresários que apoiam o presidente Jair Bolsonaro trocam mais do que impressões sobre o quadro eleitoral brasileiro. Com críticas ao TSE e ao Supremo Tribunal Federal (STF), eles falam abertamente em golpe caso o petista Luiz Inácio Lula da Silva termine em primeiro lugar em outubro. E ontem esses empresários foram alvos da Polícia Federal com mandados de busca e apreensão, expedidos por Alexandre de Moraes, ministro do STF.

Ainda no caso do WhatsApp, a pesquisa mostra quantos participam de grupos exclusivos.  Dos entrevistados, 75% disseram integrar grupos formados por parentes ,e 66% por grupos de colegas de trabalho (vindo de 60% em fevereiro passado). O interesse específico pela política também está documentado: 15,3% participam de grupos fechados sobre o tema, porcentual que não variou em relação a fevereiro. Em sua maioria, são compostos por homens e, por margem apertada, das classes C, D e E.

Num esforço para tentar conter a disseminação de notícias falsas,  STF e TSE têm discutido normas e procedimentos com os aplicativos de mensagem. Mas o episódio envolvendo o WhatsApp – que costuma manter uma postura mais colaborativa em relação às autoridades – indica que as empresas continuam falhando na checagem de conteúdos, no processamento de denúncias e na transparência para combater o discurso de ódio e a desinformação. É como enfrentar a força destrutiva de um tsunami com a ajuda de alguns poucos sacos de areia.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.