Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Neuza Sanches

Por Neuza Sanches
Negócios, Mercados & Cia
Continua após publicidade

Desoneração e STF: Moraes e Toffoli devem seguir o relator Cristiano Zanin

A confirmação dos votos dos dois ministros garantiria maioria na Corte para a derrubar o benefício fiscal; mercado financeiro já “precifica” essa decisão

Por Neuza Sanches Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 15h05 - Publicado em 6 Maio 2024, 08h00

O Supremo Tribunal Federal (STF) está no centro de uma discussão crucial relacionada à desoneração da folha de pagamento de 17 setores que mais empregam no País. O benefício, que substitui a contribuição previdenciária patronal de 20% incidente sobre a folha por alíquotas de 1% a 4,5% sobre a receita bruta, tem sido um ponto de debate intenso devido ao seu impacto tanto nas empresas beneficiadas quanto nas contas do governo federal.

Recentemente, o ministro do STF Cristiano Zanin atendeu a um pedido do governo federal e suspendeu a prorrogação da desoneração, uma decisão que foi posteriormente levada ao plenário virtual da Corte. Quatro ministros já haviam votado para confirmar a decisão de Zanin, com o placar de cinco votos a zero, antes de o ministro Luiz Fux pedir vista (ou seja, pedir mais prazo para a análise do tema). Mas, para todos os efeitos legais, a decisão em caráter de liminar proferida por Zanin continua valendo.

Vale ressaltar que Zanin é um profundo conhecedor do mercado empresarial em função de mais de duas décadas atuando como advogado especialista em litígios empresariais, algo, aliás, que os demais ministros do Supremo também têm levado em consideração na hora de se manifestarem.

Na “bolsa de apostas” do mercado, banqueiros e empresários já contabilizam também os votos dos ministros Alexandre de Moraes e Dias Toffoli pelo histórico de suas decisões relacionadas à economia – o que garantiria a maioria entre os 11 integrantes da Corte.

Continua após a publicidade

Nos bastidores, ambos os lados reconhecem que a suspensão da desoneração da folha de pagamentos traz preocupações importantes quanto ao impacto nas contas públicas. A medida é vista como uma renúncia fiscal que pode comprometer ainda mais a capacidade do governo de cumprir suas metas fiscais, especialmente em um contexto de necessidade de ajuste das contas públicas. Algo destacado pelo ministro Zanin ao suspender a prorrogação da desoneração, quando citou que a manutenção da norma poderia trazer um “desajuste significativo nas contas públicas e um esvaziamento do regime fiscal”.

A pressão das empresas, que têm ameaçado com uma onda de demissões caso o benefício não seja mantido, é legítima e faz parte do jogo. “Quem não chora, não mama”, confessa um grande empresário. Resta saber se esse choro vai comover a Suprema Corte.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.