Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Murillo de Aragão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Murillo de Aragão
Continua após publicidade

Vampeta e a reforma ministerial

Mudanças na Esplanada evocam uma frase lapidar do ex-jogador

Por Murillo de Aragão
24 set 2023, 08h00

Quando estava no Flamengo, o futebolista multicampeão Vampeta disse uma frase lapidar em relação ao time que se aplica à política: “Eles fingem que pagam, eu finjo que jogo”. A minirreforma ministerial pode estar no mesmo padrão de ambiguidade — eu finjo que abro espaço relevante no ministério e você finge que me apoia.

Vale lembrar o comentário do presidente do PSB, Carlos Siqueira, após o anúncio da troca de ministros: “A reforma ministerial é novela demorada e de mau gosto”. Disse também que apenas no Brasil oposição vira governo. Periga virar governo e continuar sendo oposição!!!

O cenário político pós-minirreforma prosseguirá nebuloso. PP e Republicanos vão divididos para o ministério, o União Brasil está em crise e o PSD da Câmara dos Deputados está insatisfeito com seus espaços no governo. Assim, o apoio que os partidos do Centrão propõem tende a ser limitado, pontual e específico. E, ainda, passível de negociações adicionais.

O Flamengo dos tempos de Vampeta era uma “várzea” de salários atrasados e dívidas estratosféricas, e a profissionalização dos dirigentes de clubes era precária. Atletas como Vampeta já tinham feito a vida e sabiam que, na Justiça, receberiam o devido. Na real, portanto, todos mentiam, ninguém acreditava e ficava por isso mesmo.

“O governo deve abandonar agendas que não obtenham o consenso das forças dominantes no Congresso”

Continua após a publicidade

Em Brasília, o fundamento do “finge que você governa” e do “finge que eu apoio” é a desconfiança que atravessa o mundo político. Entre os atores políticos ninguém acredita que o outro vai entregar o prometido e a desconfiança corrói o sistema político. O governo de hoje já entendeu o jogo no qual o Congresso tem mais poder do que antes. Porém, ainda está longe de construir um governo de coalizão que, de verdade, resultaria em uma parceria sólida.

A desconfiança mina as negociações e o processo de construção de consensos, já que, além de adversários no Congresso, parlamentares e governo são adversários nos níveis estadual e municipal, numa teia intrincada de interesses e áreas de conflito. Dentro do próprio universo petista existem facções que disputam projetos e poder. Enfim, uma guerra campal.

Para desmentir o axioma de Vampeta na política, o governo terá de ceder mais e conciliar propostas. A base política ampliada terá de corresponder aos espaços relevantes que receber. Além do mais, o governo deve abandonar agendas que não obtenham o consenso das forças dominantes no Congresso.

Somente assim as lideranças minimizarão os efeitos das desconfianças internas, criando condições para que se estabeleça um governo de coabitação e de avanços em uma agenda positiva.

Continua após a publicidade

Mas as chances de a desconfiança entre as forças políticas diminuir de forma significativa são remotas. Daqui a alguns meses as eleições municipais colocarão aliados em disputa em meio a uma agenda complexa. Basta lembrar que temos à mesa a reforma tributária, sua regulamentação e o Orçamento da União, entre outros temas. Qualquer inconsistência por parte do governo nas relações políticas com o Congresso dificultará a construção do consenso necessário.

Sendo assim, a novela apontada por Carlos Siqueira prosseguirá na pauta por algum tempo. Com consequências claras: a minirreforma ministerial aumentará a blindagem do governo, mas não garantirá passe livre para a agenda governista.

Publicado em VEJA de 22 de setembro de 2023, edição nº 2860

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.