Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Murillo de Aragão Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Murillo de Aragão
Continua após publicidade

Os três gols de Lewandowski

Ricardo Lewandowski obteve três importantes conquistas nos primeiros meses à frente de uma das pastas mais emblemáticas do governo Lula (PT)

Por Murillo Aragão Atualizado em 9 Maio 2024, 12h37 - Publicado em 5 abr 2024, 17h15

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, obteve três importantes conquistas nos primeiros meses à frente de uma das pastas mais emblemáticas do governo Lula (PT).
A primeira foi a elucidação do caso Marielle Franco (PSOL). No dia 24 de março, a Polícia Federal (PF) apontou os irmãos Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro; e Chiquinho Brazão, deputado federal pelo União Brasil; além do delegado Rivaldo Barbosa, como mandantes do crime contra a vereadora.

O segundo foi a recaptura dos fugitivos da penitenciária federal de Mossoró (RN), após 50 dias. A operação mobilizou cerca de 600 agentes da área de segurança. Os criminosos são ligados ao Comando Vermelho (CV), uma das maiores facções criminosas do país.
O terceiro é o projeto de lei do Ministério da Justiça que busca institucionalizar o uso de câmaras corporais pelas forças de segurança do país. A proposta prevê transformar o item em parte do equipamento de proteção individual dos policiais.

Segundo dos obtidos pelo jornal Folha de São Paulo, as medidas implementadas pelo Governo de São Paulo (SP) para a redução da letalidade policial, entre as quais está o uso de câmeras acopladas aos uniformes dos policiais militares, levaram a uma queda de 36% no número de mortes em confrontos no Estado. De acordo com o instituto Datafolha, 88% dos moradores da cidade de São Paulo são favoráveis ao uso das câmeras em uniformes de policiais. Apenas 8% são contrários.

Os três gols de Lewandowski, utilizando uma metáfora futebolística, são importantes não apenas para a gestão do ministro, mas também para o governo, que vinha sendo criticado por sua atuação na segurança pública. Os três casos trazem repercussões importantes. O caso Marielle estava sem resolução desde 2018, em uma a uma série de idas e vindas das investigações. A recaptura dos fugitivos do Mossoró era um foco de desgaste e pressionava o governo na área de segurança. E o tema das câmeras corporais, embora setores da sociedade ideologize o debate, os estudos disponíveis mostram que a sua utilização possui resultados satisfatórios.

Assim, a partir desses três acontecimentos – a elucidação do caso Marielle Franco; a recaptura dos criminosos foragidos do presídio de Mossoró; e a defesa do projeto que lei que institucionaliza o uso de câmeras corporais por parte dos policiais militares – o Ministério da Justiça e Segurança Pública pauta o debate e cria uma agenda positiva nua área que historicamente é bastante problemática para o governo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.