Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maílson da Nóbrega Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Coluna
Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história
Continua após publicidade

Piso salarial é aberração econômica

A intenção de criar o piso para a área da saúde é meritória, mas medida é é fonte de ineficiência, desemprego e informalidade

Por Maílson da Nóbrega
1 jul 2023, 08h00

Segundo a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, há 2.584 profissões e 9.940 cargos e ocupações no país, cujos salários seguem um piso salarial definido em convenções do trabalho. Em outras situações, essa regra foi estabelecida por lei. É o caso do piso nacional para enfermeiros, técnicos de enfermagem, auxiliares de enfermagem e parteiras. Uma aberração. Nos países ricos, o piso existe apenas para o salário-mínimo. 

Em economias de mercado, que pretendemos ser, o salário de equilíbrio é definido com base na produtividade e no custo de vida. Disparidades socioeconômicas regionais como as do Brasil são incompatíveis com pisos salariais, pois prejudicam a alocação de recursos e reduzem o potencial de crescimento da economia, da renda e do emprego.

No Vale do Silício (EUA), o salário dos garçons é maior do que em restaurantes de Nova York, o que se explica por suas particulares condições de mercado, decorrentes da maior aglomeração mundial de empresas de tecnologia. Os altos salários resultam em generosas gorjetas, aumentando a remuneração desses profissionais. Não há piso salarial para garçons americanos, nem para qualquer outra categoria.

A intenção de criar o piso para a área da saúde é meritória, pois as categorias prestam serviços relevantes. Isso não basta, todavia. É preciso ponderar seus inúmeros impactos negativos, o principal deles a geração de ineficiências. Ao desprezar a dinâmica do mercado e as distintas situações prevalecentes no território nacional, os legisladores contribuíram para inviabilizar empresas em muitos municípios, o que pode traduzir-se em desemprego e informalidade. 

Continua após a publicidade

Na grande maioria das regiões, a média salarial é inferior ao piso. Na categoria dos técnicos de enfermagem, que representam 58% do total, somente o Distrito Federal possui uma média salarial superior. No Nordeste, os 1 258 municípios onde a remuneração desses técnicos é inferior, em 97% deles o salário praticado está pelo menos 30% abaixo do piso. Exatamente o mesmo acontece na região Norte. 

Os trabalhadores podem-se ver diante da perda do emprego ou da aceitação de um salário menor do que as empresas estariam dispostas a pagar para não fechar as portas. Em tal situação, aconteceria o surgimento de um mercado informal em que as empresas fogem das novas regras e os trabalhadores buscam realocar-se nesse mercado. Há estudos que provam essa realidade em outros casos de pisos salariais. 

Os aumentos de custos decorrentes do novo piso salarial serão disseminados em todo o país, sendo mais relevantes em regiões menos desenvolvidas e em estabelecimentos de saúde com menores condições financeiras para absorver o seu respectivo impacto. Além disso, a medida obrigou a União, em grave crise fiscal, a despender bilhões de reais para compensar estados e municípios pelos efeitos da nova legislação em seus orçamentos. Tramitam no Congresso 148 projetos de lei de pisos salariais. Triste.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.