Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maílson da Nóbrega Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Coluna
Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história
Continua após publicidade

PIB do 3º trimestre confirma desaceleração

O desempenho do PIB no quarto trimestre sinalizará a continuidade do processo de desaceleração da economia, podendo sofrer uma queda

Por Maílson da Nóbrega
Atualizado em 5 dez 2023, 10h56 - Publicado em 5 dez 2023, 09h15

No terceiro trimestre, o PIB avançou 0,1% em termos dessazonalizados, conforme divulgado nesta terça-feira pelo IBGE. O resultado confirmou a tendência de desaceleração da atividade econômica, que já havia sido sinalizada pelas pesquisas mensais do instituto e pelo Banco Central, cujo índice de Atividade Econômica, o IBC-Br, considerado uma prévia do PIB, estimara queda de 0,64% no período.

Por setores, a maior desaceleração ocorreu na agropecuária, cujo desempenho foi 3,3% inferior ao do segundo trimestre. A expansão tinha sido de 12,5% no primeiro trimestre e de 0,5% no segundo. O resultado teria sido pior não fosse o crescimento do abate de bovinos, que ocorreu acima do previsto pelos analistas. 

A indústria teve um desempenho melhor: cresceu 0,6% no terceiro trimestre sobre o segundo, embora o segmento de transformação tenha estagnado no período. Na construção civil, a área imobiliária continuou beneficiando-se de um mercado de trabalho relativamente aquecido. Apesar disso, trata-se de desempenho fraco quando se considera que havia crescido em média 2,5% nos últimos três trimestres anteriores. 

Os serviços também desaceleraram. Cresceram 0,6% no terceiro trimestre em relação ao segundo. Na mesma métrica, a expansão havia sido de 1% no trimestre anterior. O comércio foi o segmento de melhor desempenho, igualmente favorecido pelas condições mais favoráveis do mercado de trabalho. Os serviços prestados às famílias cresceram 1,1%, ligeira aceleração em relação ao crescimento de 0,9% no trimestre anterior). 

Continua após a publicidade

A tendência de desaceleração da atividade econômica tende a continuar no quarto trimestre. A agropecuária deve experimentar nova queda. No segundo semestre, seu desempenho foi favorecido pela expansão da colheita de grãos no primeiro; no terceiro, beneficiou-se da expansão não antecipada do abate de bovinos. No quarto, dificilmente alguma surpresa pode livrar o setor de uma queda. A indústria tende a repetir a mediocridade dos últimos anos, enquanto os serviços, principalmente os prestados às famílias, sofrerão o esgotamento da recuperação proporcionada pela normalização das atividades do período pós-Covid-19.

Muito provavelmente, o desempenho do PIB no quarto trimestre sinalizará a continuidade do processo de desaceleração da economia, podendo sofrer uma queda. Previsões das instituições financeiras e das consultorias apontam para um crescimento de apenas 1,5% em 2024, bem distinto das previsões mais otimistas do governo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.