Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maílson da Nóbrega

Por Coluna Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história
Continua após publicidade

É preciso mais do que o diagnóstico

Paulo Guedes subestimou as restrições políticas às reformas

Por Maílson da Nóbrega Atualizado em 4 jun 2024, 14h06 - Publicado em 9 abr 2021, 06h00

É consensual a ideia de que o Brasil demanda reformas estruturais para reduzir os riscos fiscais, incrementar a produtividade e, assim, elevar o potencial de crescimento da economia e de geração de empregos. Prisioneiro da armadilha da renda média, o país precisa libertar-se dela e diminuir as inaceitáveis desigualdades sociais e pobreza.

Essa agenda foi abraçada por vários governos, inclusive o último do regime militar. Nos últimos 35 anos, ocorreram importantes ainda que insuficientes mudanças institucionais nos campos fiscal, monetário e creditício. Progredimos, mesmo que abaixo do desejável, na privatização, na abertura da economia e na infraestrutura.

Na verdade, como ensinou Douglass North, prêmio Nobel de Economia de 1993, mudanças institucionais complexas acontecem de forma incremental. Leva muito tempo para educar a sociedade sobre a necessidade de mudanças e para convencer o sistema político a apoiá-las. Essa regra simples parece não ter influenciado o ministro da Economia.

Paulo Guedes formulou um diagnóstico alinhado ao consenso, mas subestimou as restrições políticas à aprovação das reformas. O atributo de “Posto Ipiranga”, vontade política e um hipertrofiado Ministério da Economia seriam suficientes para viabilizar uma revolução liberal. Ele explorou em exces­so a retórica voluntarista, o otimismo infundado e as simplificações. Promessas pouco sólidas minaram a credibilidade. Confiante, o ministro tachou de social-democratas governos anteriores e os acusou de falta de competência, sugerindo que essa característica agora existiria.

Continua após a publicidade

“É necessário poder de persuasão para dissuadir a maioria de preservar visões equivocadas”

Em democracia um grande desafio é formular, aprovar e implementar medidas complexas. Políticas públicas exigem transformar a agenda em programas e projetos concretos e, antes ou simultaneamente, construir coalizões majoritárias. No Brasil, é necessário entender que nossa sociedade desconfia do setor privado, suspeita do lucro e se opõe à privatização (67% em 2019, segundo o Datafolha). Interesses corporativistas resistem à agenda.

Tudo isso requer liderança, coordenação, capacidade de mobilização política e poder de persuasão para dissuadir a maioria de preservar visões equivocadas. Ocorre que o próprio presidente se tornou fonte de reação ao vetar ou boicotar partes da agenda. De fato, cerca de 80% do capital estatal privatizável foi excluído.

Continua após a publicidade

Bolsonaro jamais demonstrou possuir habilidade de negociação política para obter a adesão dos parlamentares a medidas impopulares. À desastrosa condução da pandemia e à gestão errática do governo — prova da inaptidão para o cargo — somou-se a inapetência para defender a agenda.

Nem mesmo o regime militar, que não enfrentava restrições típicas da democracia, realizou mudanças estruturais na velocidade e dimensão necessárias e evidentes. A essa altura e dadas suas qualidades intelectuais, Paulo Guedes provavelmente já se deu conta de que sua sonhada revolução liberal para mudar a história do Brasil exige mais do que um simples diagnóstico.

Publicado em VEJA de 14 de abril de 2021, edição nº 2733

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.