Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maílson da Nóbrega Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Coluna
Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história
Continua após publicidade

A reforma não fere o pacto

Rejeição ao Conselho Federativo é pura desinformação

Por Maílson da Nóbrega
22 out 2023, 08h00

A reforma tributária constituirá uma revolução na forma de arrecadar tributos sobre o consumo. Seu impacto na produtividade elevará o potencial de crescimento da economia. A mudança é daquelas cujo tempo chegou.

Seu êxito decorrerá basicamente de três fatores: (1) o benefício de que gozam os países retardatários, que podem adotar instituições e tecnologias consagradas sem começar do zero; (2) a tecnologia digital, que perpassará o processo e viabilizará sua grande inovação, o Conselho Federativo (voltarei a ele); e (3) o melhor projeto, preparado por pessoas do setor privado, abnegadas e experientes, que utilizaram o vasto conhecimento acumulado sobre o tema em vários países e na pesquisa acadêmica, aqui e lá fora.

O projeto superou a dificuldade de outras tentativas, que decorria da alteração da cobrança, da origem para o destino, como na maioria dos 174 países que adotam o método de tributação sobre o valor agregado (IVA). Havia ganhadores e perdedores. No passado, os perdedores bloqueavam a reforma. Agora, por seis anos, 90% da arrecadação do IBS (a parte dos estados e municípios na reforma) será distribuída com base na sua participação na arrecadação do ICMS e do ISS. Não haverá perdedores nesse período. Por mais 45 anos, esse percentual será reduzido de 1/45 ao ano. Não há que se falar em perdas.

“As novas regras tributárias serão viáveis porque o Conselho centralizará a arrecadação”

A regra será viável porque o Conselho centralizará a arrecadação. A distribuição será feita por um algoritmo, sem intervenção humana. Não haverá como beneficiar uns em detrimento de outros. Apenas os entes subnacionais integrarão o Conselho. A transição federativa, de cinquenta anos, além dos ganhos derivados do maior crescimento econômico, permitirá a natural acomodação das respectivas receitas.

Continua após a publicidade

Outra consequência positiva da criação do Conselho será a devolução dos créditos acumulados nas exportações e em outras atividades. Hoje, dependendo da vontade de cada secretário da Fazenda e de suas eventuais dificuldades financeiras, o pagamento pode levar anos, o que implica perda de competitividade das empresas. A reforma promete devolver em até sessenta dias, mas na grande maioria dos casos a devolução poderá ser feita em até cinco dias. Sem o Conselho, não será possível manter a participação dos entes federados na arrecadação, enquanto os créditos acumulados padecerão de incertezas na devolução. A reforma morrerá.

Diz-se que a reforma e o Conselho ferirão de morte o pacto federativo. Não é verdade. Como a experiência de outras federações já provou, a autonomia de estados e municípios não é absoluta. Quando estão em jogo os interesses maiores da coletividade, ela é relativa. A opção será entre aceitar a reforma ou, em nome da autonomia, renunciar aos seus inequívocos efeitos benéficos. A Alemanha é o grande exemplo a ser observado. Lá, optou-se pela prosperidade. Os estados não podem mudar alíquotas e regras. A desinformação e os interesses políticos não podem condenar-nos a um novo fracasso da reforma.

Publicado em VEJA de 20 de outubro de 2023, edição nº 2864

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.