Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maílson da Nóbrega

Por Coluna
Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história
Continua após publicidade

A esquerda que não evolui

O exemplo europeu não frutifica por estas bandas

Por Maílson da Nóbrega Atualizado em 2 jul 2021, 10h02 - Publicado em 2 jul 2021, 06h00

No momento em que escrevi este texto, Pedro Castillo era o presidente eleito do Peru. Radical de esquerda, evangélico, ele é de um partido marxista, uma contradição. Prometeu um Estado interventor, incluindo estatizações e até expropriações. Como disse o sociólogo peruano Albino Ruiz Lazo, “Castillo não sabe quanto de marxismo prega”.

Castillo não disporá de maioria no Congresso. Não terá, assim, apoio para a prometida reforma da Constituição, visando a impor um regime socialista ou medidas menos violentas. Difícil dar certo sem uma guinada rumo a políticas responsáveis. Sua eleição (por ora) foi festejada pelos presidentes do PT e do PDT, Gleisi Hofmann e Carlos Lupi, respectivamente.

A esquerda latino-­americana se entusiasmou com o comunismo soviético, que parecia dar certo nos anos 1930, nos tempos em que o Ocidente sofria as adversidades da Grande Depressão. Sonhava remir a pobreza com anticapitalismo e transformações conducentes a uma sociedade igualitária (e certamente totalitária). Nas décadas de 70 e 80, Cuba era o paradigma.

O fracasso cubano e de experiências menos radicais, como as do chileno Salvador Allende ou do peronismo que ainda infelicita a Argentina, nunca abalou tais convicções. Essa esquerda não percebeu o insucesso da experiência soviética nos anos 1980, abandonada em 1991 em razão basicamente da ausência de estímulos à inovação.

“Os esquerdistas latino-americanos defendem políticas que geram inflação e podem agravar os níveis de pobreza”

Continua após a publicidade

Aqui, essa esquerda ignora a restrição orçamentária, isto é, a existência de limites ao gasto público. Nas Páginas Amarelas de VEJA (26/5/2021), Guilherme Boulos, do PSOL, defendeu a ruptura do teto de gastos — a âncora fiscal que impede a volta de uma funesta inflação — com o objetivo de ampliar investimentos públicos e gastos do SUS. Lula afirmou, em mensagem no Twitter, que revogará o teto caso seja eleito, esquecendo que a responsabilidade fiscal foi crucial para o êxito de seu primeiro mandato.

Visões semelhantes sumiram da esquerda ocidental da Europa a partir dos anos 1960. Na Alemanha, o Partido Social Democrata afastou-se de ideias radicais e firmou-se como promotor de reformas e políticas econômicas responsáveis. Na Espanha e no Reino Unido, o Partido Socialista Operário Espanhol e o Partido Trabalhista, respectivamente, revogaram artigos de seus estatutos que defendiam a propriedade estatal dos meios de produção. Na Itália, o Partido Comunista se modernizou e mudou de nome. Essas e outras agremiações da esquerda europeia jamais desprezaram o compromisso com avanços sociais, principalmente a redução de desigualdades. Abraçaram o binômio constituído de economia de mercado e democracia.

A velha esquerda latino-americana não consegue modernizar-se. Continua prisioneira de propostas que o tempo se encarregou de enterrar. Defende certas políticas públicas que refreiam ganhos de produtividade, acarretam a estagnação ou o baixo crescimento da economia, geram inflação e podem agravar os níveis de pobreza e da deplorável concentração da renda. Triste.

Publicado em VEJA de 7 de julho de 2021, edição nº 2745

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.