Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Rio Grande do Sul Por Veja correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens gaúchos. Por Paula Sperb, de Porto Alegre

No RS, Expointer movimenta R$ 2 bilhões em nove dias de feira

Crescimento de 6% em relação a 2016 é resultado dos negócios ligados à agricultura familiar, que contou com produtos produzidos pelo MST

Por Paula Sperb 4 set 2017, 12h18

A comercialização de produtos da agricultura familiar colaborou para que os negócios da 40ª Expointer tivessem um incremento de 6% em relação ao ano passado. Uma das maiores feiras de agronegócio da América Latina, a Expointer, realizada em Esteio, na região metropolitana de Porto Alegre, encerrou no último domingo com um resultado de 2 bilhões em negócios e 382,6 mil visitantes.

De acordo com a Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul, o incremento está relacionado à comercialização dos produtos provenientes da agricultura familiar, que somaram 2,8 milhões, um aumento de 40% em comparação com 2016.

Orgânicos do MST

Produtos como cachaça, mel, pães, sucos, plantas e até itens exóticos como suco de cacto e cuca [bolo tradicional entre os gaúchos descendentes de alemães e italianos] de salame foram vendidos pelas famílias agricultoras. Entre os 198 expositores, o Movimento Sem Terra (MST) estava presente com produtos orgânicos, cultivados sem uso de agrotóxicos. O MST comercializou arroz orgânico, queijos, iogurte, sucos e hortaliças produzidos por 500 famílias assentadas pela reforma agrária.

Sem hora marcada, os indígenas fazem uma roda, entoam um canto típico e começam a dançar durante a 40ª Expointer Karine Viana, Expointer/Divulgação

Cultura indígena

No Pavilhão da Agricultura Familiar, três estandes foram ocupados por indígenas pataxós e caingangues, para comercialização de artesanato como flautas e bonecos de madeira. Durante os nove dias de Expointer, a Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR) organizou uma troca para possibilitar que indígenas de diversas regiões do estado pudessem expor seus produtos. Além do comércio, os indígenas também fizeram apresentações de danças e cantos típicos de suas culturas. As apresentações ocorreram sem hora marcada.

Nabor Goulart/Divulgação

Animais e máquinas

De acordo com a organização da Expointer, o comércio de animais foi o único setor que registrou queda nos negócios, com uma redução de 12% em relação ao ano anterior. Em 2017, foram negociados 10 milhões no setor.

A venda de máquinas agrícolas registrou um leve aumento, de 0,75%, em comparação a 2016. Neste ano, o setor de máquinas e implementos agrícolas somou 1,9 bilhões em negócios.

Banrisul

O banco do estado, o Banrisul, registrou um volume de negócios prospectados de 190,8 milhões de reais. No total, foram recebidos 529 pedidos de financiamento. Entre os itens mais procurados estavam as máquinas e equipamentos, como tratores, colheitadeiras e pulverizadores, financiados nas linhas do Finame Moderfrota e Pronaf Mais Alimentos.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade