Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Samsung vai enviar, sem custo, carregador do Galaxy S21 no Brasil

Procon-SP fechou acordo com a fabricante coreana para fornecer o adaptador durante a pré-venda, até 7 de março; órgão espera posição igual da Apple

Por Machado da Costa 9 fev 2021, 12h41

A Fundação Procon-SP e a Samsung assinaram um Termo de Compromisso Voluntário para que seja disponibilizado, sem custo, um adaptador de tomada ao consumidor que adquirir e solicitar, durante a pré-venda, qualquer um dos modelos de smartphones da linha Galaxy S21. O acerto entre as partes vale apenas para o Brasil, em outros países a empresa manterá a forma de comercialização sem o fornecimento do acessório.

Os consumidores que comprarem o modelo durante o período da pré-venda — entre esta terça-feira, 9, até 7 de março — devem solicitar o carregador pelo site http://www.samsungaparavoce.com.br. O acessório será entregue pela empresa em até 30 dias corridos, a contar do registro da solicitação.

Segundo Fernando Capez, diretor executivo do Procon-SP, “trata-se de um acordo histórico com a Samsung válido somente para o Brasil, que sai na frente do mundo inteiro e que em março deverá ser transformado em acordo definitivo, já que não existe uma justificativa de caráter ambiental para esse tipo de procedimento. É uma promoção puramente de caráter econômico, se existe a preocupação ambiental o Procon-SP irá exigir a adoção de políticas de logística reversa a todos os fabricantes de eletrodomésticos e também montadoras de automóveis e celulares, essa será a próxima etapa”.

O Procon, agora, aguarda uma posição da Apple, que também não está incluindo o carregador do iPhone 12, e que também foi notificada pelo órgão. “O Procon está analisando e entende que se trata de venda casada, obrigar o consumidor a adquirir o aparelho e depois o carregador, não tem justificativa e a questão ambiental é uma simples desculpa”, diz Capez.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Continua após a publicidade
Publicidade