Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Petróleo dispara e coloca mais holofotes sobre a Petrobras

VEJA Mercado: cotações já estão no nível de 2018 e Focus prevê dólar maior até o fim do ano

Por Josette Goulart Atualizado em 11 out 2021, 09h21 - Publicado em 11 out 2021, 09h10

VEJA Mercado | Abertura | 11 de outubro

Em dia de sanduíche de feriado, os investidores vão ter que olhar com atenção para o petróleo. A cotação do petróleo tipo Brent, que é usado como referencia para os reajustes de preços pela Petrobras, está sendo negociado acima dos 84 dólares. Os preços estão girando ao mesmo nível das altas de 2018. Em pensar que no auge da crise da pandemia, o petróleo chegou a ficar na casa dos 20 dólares. O petróleo WTI também está subindo e gira em torno de 82 dólares. Como toda essa alta, isso significa que as ações da Petrobras tendem a subir, mas não custa lembrar que a empresa está sendo cobrada pelo Congresso e pelo Planalto para ter uma função mais social, ou seja, que não transfira os preços mais altos ao consumidor. 

Por outro lado, o petróleo mais caro significa mais inflação não só no Brasil, mas mundialmente, o que leva à expectativa de juros mais altos em outras praças e a uma saída do investidor do Brasil. Esse movimento também impacta o dólar e não à toa o Boletim Focus traz hoje revisão para cima do câmbio. O mercado passou três semanas acreditando que o dólar fecharia a 5,20 reais e nesta semana as apostas aumentaram para 5,25 reais.

Publicidade