Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Estatais derretem com Guedes e perdem R$ 36 bilhões

VEJA Mercado: três principais estatais perderam valor de mercado em pregão nervoso na bolsa

Por Diego Gimenes Atualizado em 21 out 2021, 18h38 - Publicado em 21 out 2021, 18h34

Se até poucas semanas atrás o grande temor do mercado financeiro era o chamado “risco Bolsonaro”, quando o presidente dizia ou anunciava algo que ia contramão da agenda econômica de Paulo Guedes, hoje, o jogo virou. A bolsa despencou e o dólar subiu em uma reação ao que o ministro da Economia disse na noite de quarta-feira, 20. A mudança no cálculo de correção do teto de gastos que foi incluída na PEC dos precatórios não foi bem digerida pelos investidores, e as estatais, como se imaginava, derreteram. A Petrobras fechou em queda de 3,3% na bolsa e perdeu 24,3 bilhões de reais em valor de mercado somente no pregão de hoje. Já o Banco do Brasil caiu 4,2% e perdeu 6,9 bilhões de reais. Por fim, a Eletrobras, que está em vias de ser privatizada, tampouco foi poupada: fechou em queda de 4,2% e perdeu 4,7 bilhões em valor de mercado.

Somadas, as três estatais perderam 36 bilhões de reais. “O mal-estar em Brasília e o caos no ambiente político atingem todos os setores, porém, as estatais são um capítulo à parte porque são empresas controladas pelo governo. Quando o governo sinaliza uma ingerência na economia, existe uma aversão maior por parte do investidor a essas companhias”, diz Armstrong Hashimoto, sócio e operador de renda variável da Venice Investimentos.

+ Furar o teto ou mudar o teto? Bolsa despenca, dólar sobe e juros disparam

 

Continua após a publicidade

Publicidade