Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O déficit público atingiu R$ 563 bilhões e não R$ 156 bilhões

O déficit público de 9% do PIB mostra que o sistema de contas públicas está doente e realça a necessidade da reforma da Previdência e de medidas adicionais

A anúncio dos resultados do setor público, feito hoje pelo Banco Central, indicou que o déficit público nominal, isto é, a diferença entre receitas e despesas (incluindo os juros da dívida pública), alcançou a expressiva quantia de R$ 562,8 bilhões. O déficit primário (receitas menos despesas, excluindo os juros) foi de R$ 155,8 bilhões.

A imprensa, como de hábito, deu destaque ao resultado primário, talvez porque esse dado esteja sujeito a uma meta aprovada pelo Congresso. Jornais, revistas, rádio e TV disseram que a diferença entre receitas e despesas do governo alcançou os citados R$ 155,8 bilhões. Esqueceram o déficit nominal.

É verdade que o resultado primário tem relevância especial. Dele depende a evolução da relação entre a dívida pública e o PIB, que é o indicador de solvência do setor público. Essa relação, de 51% no início do primeiro mandato de Dilma Rousseff, atingiu cerca de 75% do PIB em 2017, um crescimento muito veloz.

Quando há déficit primário, essa relação sobe, o que será o caso nos próximos três anos. A dívida pública poderá alcançar 90% do PIB. Acontece que essa relação não pode crescer indefinidamente sem consequências.

Em algum momento, os investidores se darão conta de que a situação é insustentável. Ficará evidente o risco de calote, seja mediante redução forçada da dívida – por uma ação unilateral do governo –, seja por um processo hiperinflacionário que corroerá o valor real dos títulos do Tesouro.

Apesar da importância do resultado primário, é preciso avaliar também o déficit nominal. Isso porque a conta de juros, que atingiu R$ 407 bilhões em 2017, contribui para aumentar a dívida pública e, assim, para elevar sua relação com o PIB.

Assim, a enormidade do déficit nominal deveria chamar a atenção da sociedade. Ele representou 9% do PIB, o triplo do que a União Europeia considera prudente (3%) e constitui meta a ser perseguida pelos países membros.

Um déficit público nominal dessa magnitude expõe a natureza doentia das contas públicas no Brasil. Realça, adicionalmente, a necessidade de aprovar a reforma da Previdência e de avançar em outras medidas para assegurar a racionalidade na gestão orçamentária e para permitir a retomada de superávits primários.

Precisamos de medidas adicionais, entre as quais cabe destacar a revogação das vinculações de receitas a certos gastos e o fim da estabilidade generalizada dos servidores públicos.

De tudo isso depende o futuro do Brasil.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s