Ver TV mais de 3 horas diárias pode elevar risco de morte

Durante oito anos, pesquisa comparou mortes prematuras entre entre quem passava mais e menos tempo em frente à televisão, no computador e dirigindo

Adultos que assistem à TV por três horas ou mais por dia podem ter duas vezes mais risco de morte prematura, comparado àqueles que assistem menos que isso, revelou uma pesquisa publicada nesta quarta-feira no periódico Journal of the American Heart Association.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Television Viewing, Computer Use, Time Driving and All‐Cause Mortality: The SUN Cohort

Onde foi divulgada: periódico Journal of the American Heart Association

Quem fez: Francisco Javier Basterra‐Gortari, Maira Bes‐Rastrollo, Alfredo Gea, Jorge María Núñez‐Córdoba, Estefanía Toledo, Miguel Ángel Martínez‐Gonzalez

Instituição: Universidade de Navarra em Pamplona, na Espanha

Resultado: O risco de morte foi duas vezes maior entre pessoas que relataram assistir três ou mais horas de TV diariamente, comparadas àquelas que viam menos

Pesquisadores analisaram os dados de 13.284 espanhóis saudáveis de, em média, 37 anos, para determinar a associação entre o risco de morte por todas as causas e três tipos de comportamentos sedentários: tempo gasto diante da televisão, do computador e do volante. Durante os oito anos do estudo, 97 pessoas morreram, sendo 46 de câncer, 19 de doenças cardiovasculares e 32 de outras causas.

O risco de morte foi duas vezes maior entre pessoas que relataram assistir à TV por três ou mais horas por dia, comparadas àquelas que viam menos. O mais surpreendente é que não houve associação significativa entre a morte prematura e o tempo dedicado ao computador ou ao volante, outras atividades sedentárias. De acordo com os autores, a conclusão reforça pesquisas anteriores, segundo as quais o tempo gasto diante da televisão está relacionado à maior mortalidade.

“Nossas descobertas sugerem que adultos devem considerar aumentar sua atividade física, evitar longos períodos de sedentarismo e reduzir o tempo gasto diante da TV a não mais de uma ou duas horas por dia”, afirma Miguel Martinez-Gonzalez, líder do estudo e professor do Departamento de Saúde Pública da Universidade de Navarra em Pamplona, na Espanha.