Mais Lidas

  1. Dilma se reúne com Cardozo e Gilles no Palácio da Alvorada

    Brasil

    Dilma se reúne com Cardozo e Gilles no Palácio da Alvorada

  2. Marcela Temer: bela, recatada e “do lar”

    Brasil

    Marcela Temer: bela, recatada e “do lar”

  3. Sem dinheiro, Estados cortam 47% dos investimentos no primeiro bimestre

    Economia

    Sem dinheiro, Estados cortam 47% dos investimentos no primeiro...

  4. Manifestantes fazem protesto na frente da casa de Jair Bolsonaro

    Brasil

    Manifestantes fazem protesto na frente da casa de Jair Bolsonaro

  5. Lula: O mito estraçalhado

    Brasil

    Lula: O mito estraçalhado

  6. Avião movido a energia solar completa voo sobre o Oceano Pacífico

    Ciência

    Avião movido a energia solar completa voo sobre o Oceano Pacífico

  7. Serra pressiona PSDB a participar de eventual governo Temer

    Brasil

    Serra pressiona PSDB a participar de eventual governo Temer

  8. Os destinos turísticos com maior risco de atentados terroristas

    Mundo

    Os destinos turísticos com maior risco de atentados terroristas

Quase um quinto das crianças sofre com cyberbullying

Garotas são as mais afetadas, revela pesquisa de universidade britânica

- Atualizado em

Thinkstock
(Thinkstock/VEJA)

Estudo realizado por cientistas da Universidade de Anglia Ruskin, na Grã-Bretanha, concluiu que o cyberbullying atinge 17% das crianças e jovens com idades entre 11 e 19 anos no país. Foram ouvidos 500 voluntários para o levantamento.

Das 247 garotas questionadas pela equipe de acadêmicos, 60 (24%) disseram ter sido vítimas de cyberbullying. Entre os meninos, 27 (10%) revelaram sofrer do mesmo abuso. Do total de entrevistados, 66% admitiram ter sentido o problema na pele ou testemunhado alguém próximo sendo agredido via internet.

Entre as vítimas do cyberbullying, um terço dos jovens disse que o cyberbullying afeta a autoconfiança. Metade afirma que os episódios de violência comprometem sua saúde mental e emocional.

As ofensas, que muitas vezes têm tom de brincadeira, atrapalham o desenvolvimento das crianças e implicam diretamente no rendimento escolar. Entre os jovens que confessaram sofrer cyberbullying, 29% dizem ter evitado ir ao colégio por causa das agressões e 39% destacaram problemas no processo de socialização fora da escola.

O que mais assusta pais e educadores é a baixa estatística de alunos que pedem ajuda para enfrentar a situação. Menos da metade disse que buscaria apoio na família ou com professores em caso de cyberbullying.

"Enquanto muitas interações on-line são neutras ou positivas, a internet acaba oferecendo novas ferramentas para a intimidação", diz Steven Walker, líder do estudo. "Muitos dos questionados não admitem estar sofrendo bullying na internet e outros encaram a prática como uma simples 'brincadeira ofensiva", ressalta o acadêmico.

Walker alerta para a intensificação do problema nas mídias sociais, ambientes prediletos de crianças e jovens. "É preciso que agências do governo abordem o assunto devidamente para que o cyberbullying não piore no país."

Leia mais:

Um iPad na mão e uma ideia na cabeça: acabar com o cyberbullying

'É responsabilidade da escola combater o bullying', diz especialista americana

TAGs:
Bullying