Sequestrado em maternidade, Pedrinho é advogado de Aécio

Pedro Júnior Rosalino Braule Pinto, raptado em um hospital de Brasília em 1986, integra escritório do advogado José Eduardo Rangel Alckmin

O advogado Pedro Júnior Rosalino Braule Pinto é um dos defensores do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) no inquérito que o tucano responde no Supremo Tribunal Federal (STF) pelos crimes de obstrução de Justiça, corrupção passiva e organização criminosa. O trabalho na defesa de Aécio, abatido pelas delações da JBS, contudo, não é a primeira vez em que o advogado de 31 anos se vê nos holofotes. Hoje doutor Pedro, registrado na Ordem dos Advogados do Brasil do Distrito Federal (OAB-DF) sob o número 29477, o defensor é mais conhecido como Pedrinho, o recém-nascido raptado pela empresária Vilma Martins na maternidade do Hospital Santa Lúcia, em Brasília, no dia 21 de janeiro de 1986. A informação foi publicada nesta terça-feira pela jornalista Lydia Medeiros, do jornal O Globo.

O sequestro só terminou no dia 8 de novembro de 2002, 16 anos depois, quando a sequestradora foi descoberta e um exame de DNA provou que Osvaldo Martins Borges, como o advogado fora registrado por Vilma, era, na verdade, Pedro Braule Pinto. Ele vivia em Goiânia com a empresária e uma irmã, Roberta Jamilly, sequestrada por Vilma Martins em 1979 e também registrada por ela. O reencontro de Pedrinho com os pais biológicos, Jayro Tapajós e Maria Auxiliadora Braule Pinto, aconteceu em 23 de novembro de 2002.

De volta à capital federal para viver com a família, Pedrinho se formou em Direito no Centro Universitário de Brasília (UniCeub) e casou-se com Nábyla Gabriela Queiroz Galvão, com quem tem um filho, João Pedro, de dois anos de idade. Vilma Martins presa em fevereiro de 2003 e condenada, em agosto daquele ano, a 15 anos e nove meses de prisão por subtração de incapaz e registro falso nos dois casos. Ela ganhou liberdade em 2008, quando conseguiu reduzir sua pena e progredir ao regime aberto. Sua pena vai até 16 de fevereiro de 2019.

Pedro Braule Pinto integra o escritório do ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e advogado José Eduardo Rangel Alckmin, primo do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e defensor de Aécio Neves.

Além do livro-reportagem O Caso Pedrinho (Geração), publicado pelo jornalista Renato Alves em 2015, a história do sequestro de um recém-nascido por uma mulher que se passou por enfermeira, como fez Vilma Martins, inspirou o autor de novelas da TV Globo Aguinaldo Silva a escrever Senhora do Destino, que foi ao ar em 2004 e atualmente está no ar em Vale a pena ver de novo. A cineasta Anna Muylaert também se baseou no sequestro de Pedrinho no filme Mãe Só Há Uma (2016), que narra os conflitos de um jovem sequestrado que volta a viver com a família biológica.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Bandarra

    Vilma ficou apeas cinco anos… que moleza para dois crimes terriveis.

    Curtir

  2. Ficou só 5 anos presa…vergonha.

    Curtir

  3. Gabriel Oliveira

    Braule Pinto? kkkkkkkkk

    Curtir

  4. Bom dia. Afinal, a reportagem deu todos os dados do advogado, para quê?

    Curtir

  5. Parbéns para o rapaz,que apesar do drama que viveu,conseguiu vencer na vida.

    Curtir