Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Paulo Miklos: Pronto para recomeçar

No 'Veja Música' desta semana, o ex-vocalista da banda Titãs fala do seu novo álbum

Por Da Redação, Sérgio Martins Atualizado em 5 dez 2018, 21h28 - Publicado em 29 ago 2018, 11h00

O roqueiro paulistano Paulo Miklos está lançando um novo álbum, chamado ‘A Gente Mora no Agora’. É seu terceiro disco e o primeiro após a superação de muitos problemas pessoais. Entre 2012 e 2014, ele perdeu os pais e a mulher. Miklos superou ainda um problema e dependência química. Ele se casou novamente e passa por um momento solar.

O resultado pode ser apreciado em ‘A Gente Mora no Agora’, que tem produção de Pupilo (da Nação Zumbi) e parceria do roqueiro com vários artistas de diferentes estilos e gerações. Duas das melhores músicas foram escritas por seus ex-parceiros de ‘Titãs’. Nando Reis é autor de ‘Vou te Encontrar’, que faz menção às tempestades pessoais do amigo. Arnaldo Antunes co-assina ‘Deixar de Ser Alguém’, um frevo que traz arranjos do maestro Duda, um dos maiores nomes do gênero pernambucano.

Os nomes da nova geração, contudo, também dão uma colaboração e tanto. Destacam-se os rappers Emicida – cujos versos de ‘A Lei Desse Troço’ deu nome ao álbum – e Lurdez da Luz, Silva, Mallu Magalhães e Céu. Durante a entrevista, Miklos fala não apenas da concepção de ‘A Gente Mora no Agora’, como também comenta seu trabalho de ator. Ele brilhou em Invasor, de Beto Brandt, no qual interpretou um assassino de aluguel, e fez o trompetista Chet Baker no teatro.

 

Continua após a publicidade

Publicidade