Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Fernando Holiday: ‘Bruno Covas é um gestor pior do que Fernando Haddad’

Vereador do DEM faz ainda uma autocrítica sobre o passado do MBL, do qual é um dos líderes, das polêmicas na Câmara, de Jair Bolsonaro e da eleição de 2020

Apresentado por Atualizado em 29 out 2019, 14h58 - Publicado em 17 set 2019, 14h38

O vereador paulistano Fernando Holiday (DEM) disse, em entrevista ao programa Páginas Amarelas, de VEJA, que Bruno Covas (PSDB) é o pior prefeito que a cidade de São Paulo já teve, superando o petista Fernando Haddad, que ele também considera um péssimo gestor.

“Arrisco a dizer que ele (Covas) é um gestor pior do que Fernando Haddad. Acho que os dois concorrem para ser os dois piores prefeitos que São Paulo já teve, mas o Bruno Covas está levando uma leve vantagem por ser um inapto. Ele é muito incompetente, dá a impressão de que ele não gosta do que faz, não sabe o que faz e, apesar de ter ainda alguns bons secretários, tem uma equipe sem uma coesão muito grande. São Paulo não merece o prefeito que tem hoje”, afirmou.

Segundo ele, a consequência mais visível da má gestão tucana está na área de zeladoria. “Qualquer um, seja morador de bairro da periferia ou de bairro de classe média, percebe que a cidade está abandonada”, disse. “Muitas pessoas não sabem nem quem é o prefeito de São Paulo. Isso é sinal de que ele é um péssimo gestor”.

O vereador, que se tornou aos 20 anos o mais jovem a ocupar uma cadeira no Legislativo municipal, também falou sobre o passado e futuro do Movimento Brasil Livre (MBL), do qual é um dos líderes e fez uma autocrítica sobre táticas adotadas pelo grupo, que foi decisivo na campanha pelo impeachment de Dilma Rousseff (PT).

“Ele (MBL) resumia tudo entre alguém que é do mal e alguém que é do bem. Esse maniqueísmo a gente trouxe para a política e nisso está a nossa principal autocrítica. A gente acha que exagerou nessa simplificação do debate e alimentou radicalismos na direita e a falta de diálogo que vemos hoje na política”, afirmou. “É essa a autocrítica que a gente faz. Agora, estamos tentando trazer um debate público mais qualificado, defendendo sempre os nossos ideais, mas não transformando todo e qualquer adversário em algo a ser demonizado”.

Holiday fala também sobre as divisões na direita política, as críticas que o MBL tem recebido de bolsonaristas em razão de sua mudança de comportamento, as polêmicas que acumulou na Câmara – como dizer que “vereador não trabalha” e ser chamado de “macaco de auditório” por outro vereador -, o governo Jair Bolsonaro, o combate à corrupção, as eleições de 2020 e a possibilidade de deixar o DEM para se filiar ao Novo. “É uma hipótese que eu não descarto”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.