Clique e assine a partir de 9,90/mês

São Paulo libera restaurantes até 22h em locais há 14 dias na fase amarela

Estabelecimentos podem abrir as portas por até seis horas diárias, consecutivas ou não; capital paulista está liberada para adotar a medida

Por Da Redação - 5 ago 2020, 20h47

Nesta quarta-feira, 5 de agosto, o governador de São Paulo, João Doria, anunciou que as medidas restritivas, vão ser, mais uma vez, atenuadas. Bares e restaurantes localizados em regiões que estão na fase amarela há mais de duas semanas poderão funcionar até às dez horas da noite. Até então, esses estabelecimentos podiam ficar abertos até às cinco da tarde. Apesar disso, permanecem as restrições de funcionamento por, no máximo, seis horas diárias e o limite de 40% de ocupação.

A flexibilização vem no mesmo dia em que Mike Ryan, chefe de emergências da OMS, cobrou mais responsabilidade dos jovens. Na Europa, eles estão sendo os principais responsáveis por uma alta no número de doentes, com a proporção de infectados nessa faixa etária aumentando entre três e cinco vezes nos últimos meses. O motivo seria, justamente, a maior presença dessa faixa etária em bares e festas. A epidemiologista do órgão, Maria Van Kerkhove, afirmou que, apesar dos jovens terem, em sua maioria, uma versão mais leve da doença, eles podem sofrer consequências no longo prazo.

No Rio de Janeiro, a discussão sobre a volta às aulas continua. Enquanto a prefeitura da capital liberou retorno de modo facultativo das escolas particulares do ensino fundamental, o Governo do Estado determinou por meio de um decreto que a suspensão deve continuar, pelo menos, até o dia 20 de agosto.

O presidente Jair Bolsonaro falando com apoiadores na porta do Palácio do Planalto, demonstrou preocupação quando uma pessoa o parabenizou por conta do auxílio emergencial. Indagado, afirmou que a ajuda não poderá continuar por muito tempo pois custa R$50 bilhões por mês e que a economia tem de funcionar.

Nos Estados Unidos, a ajuda do governo à população também está sob discussão. Hoje, a  expectativa de que o Congresso chegue a um acordo sobre o pacote de auxílio para famílias e empresas ainda nesta semana empurrou os índices das principais bolsas americanas, que fecharam o dia em alta.

Nas últimas 24 horas, segundo o Ministério da Saúde, foram 57.152 novos casos confirmados do coronavírus e 1.437 mortes causadas pela doença. Ao total, o Brasil acumula agora 2.859.073 infectados, 97.256 óbitos e 2.020.637 recuperados. Leia mais sobre a pandemia de coronavírus: http://abr.ai/coronavirus-ultimas

Continua após a publicidade
Publicidade