Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Nuzman é preso por suspeita de compra de votos na Rio 2016

Presidente do Comitê Olímpico do Brasil teria tentado ocultar bens, depois de ser alvo de uma operação em setembro. Acompanhe o ‘Giro VEJA’

Por Da Redação Atualizado em 10 dez 2018, 14h20 - Publicado em 5 out 2017, 13h24

O presidente do Comitê Olímpico do Brasil, Carlos Arthur Nuzman, foi preso nesta quinta-feira pela Polícia Federal no Rio de Janeiro. Os agentes também prenderam Leonardo Gryaner, ex-diretor de operações do Comitê Rio 2016. Além dos mandados de prisão, os agentes cumprem mandados de busca e apreensão e um pedido de quebra de sigilo telefônico.

Nuzman é suspeito de intermediar a compra de votos de membros do Comitê Olímpico Internacional para que o Rio fosse eleito sede da Olimpíada do ano passado. O juiz federal Marcelo Brettas decretou a prisão de Nuzman porque ele teria tentado ocultar bens depois de ter sido alvo de uma operação da Polícia Federal no início de setembro. Entre os bens ocultados, estão dezesseis quilos de ouro que estão na Suíça.

A ação desta quinta é a segunda fase da operação Unfair Play, realizada em setembro, que, por sua vez, é uma das etapas da Lava Jato no Rio de Janeiro.

Continua após a publicidade

Publicidade