Clique e assine a partir de 9,90/mês

Farmacêutica americana inicia última fase de testes de vacina

O estudo, conduzido nos Estados Unidos, contará com a participação de cerca de 30.000 voluntários saudáveis

Por Da Redação - 27 jul 2020, 20h04

Nesta segunda-feira, 27 de julho, o imunologista Anthony Fauci, um dos principais nomes da força tarefa criada pelo governo americano para combater o coronavírus, afirmou que uma vacina para a doença deve estar pronta até novembro e disse que, apesar da pressa, a rigorosidade científica está sendo seguida à risca.

A declaração de Fauci vem junto ao início da última fase de testes da vacina da Moderna, a companhia farmacêutica americana que tem seus estudos patrocinados pelo governo do país. A vacina é a terceira a entrar na fase 3 e será testada em 30 mil voluntários espalhados pelo Estados Unidos, com foco nas localidades em que a propagação da doença está mais veloz.

Também hoje, o presidente americano Donald Trump visitou uma fábrica do braço de biotecnologia da Fujifilm e fechou um contrato de 265 milhões de dólares visando a expansão da capacidade de produção de uma vacina para o coronavírus.

Por aqui, o governador de São Paulo, João Dória, afirmou em coletiva que, caso os testes da coronavac, vacina chinesa que é testada no Brasil pelo Instituto Butantan, mostrarem bons resultados, a vacinação pode começar já em janeiro do ano que vem.

Continua após a publicidade

Além disso, Dória divulgou alguns ajustes no plano São Paulo, com destaque para a liberação do avanço de regiões com menos de 75% dos leitos de UTI ocupados para a fase verde, que contém restrições mais leves.

Os cancelamentos de grandes eventos, entretanto, continuam. A prefeitura de Blumenau divulgou hoje que a tradicional Oktoberfest não vai acontecer neste ano.

Apesar dos eventos culturais continuarem a serem cancelados, as lives, que se tornaram uma maneira alternativa de entretenimento durante a pandemia, vêm perdendo força. Segundo levantamento de Veja, as transmissões online tiveram seu pico no fim de abril, após shows como os de Marília Mendonça e Jorge e Matheus, que tiveram mais de 3 milhões de espectadores de forma simultânea, chamarem atenção do público para o formato. Desde então, o fenômeno perdeu força. Em maio, as buscas caíram 20% e, na última sexta, elas foram 67% menores do que na comparação com o mês de abril.

Hoje, de acordo com o ministério da saúde, o Brasil teve 23.284 novos infectados pelo coronavírus e 614 óbitos causados pela doença. No total, são 2.442.375 casos confirmados e 87.618 mortes.

Publicidade