Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Caso Fazenda Brasil Verde: 16 anos de escravidão

Mais de 160.000 brasileiros trabalham submetidos a trabalho forçado, servidão por dívidas, jornadas exaustivas e circunstâncias degradantes

Por Da Redação Atualizado em 17 set 2018, 13h14 - Publicado em 17 set 2018, 13h07

Em março de 2000, uma dupla de trabalhadores escapou da fazenda Brasil Verde localizada em Sapucaia, no interior Pará, revelando ao mundo um dos maiores escândalos de escravidão em pleno século 21. Foram três dias em meio da mata até conseguir chegar a alguém que os levasse até a polícia mais perto. Eles voltaram à fazenda com os fiscais do Ministério do Trabalho. Só assim, os outros 126 trabalhadores puderam escolher deixar o local.

Enganados por uma promessa de emprego pelo proprietário da terra, João Luis Quagliato Neto, os trabalhadores de origens simples e na maioria analfabetos ingressaram na fazenda já endividados pela compra de equipamentos de trabalho e com direito a um “salário” equivalente a 70 centavos por dia.

O governo foi obrigado a indenizar os trabalhadores com uma quantia de 5 milhões de dólares por negligenciar e não prevenir o trabalho escravo e tráfico de pessoas. Estima-se que no Brasil, há ainda mais de 160.000 pessoas trabalhando em condições análogas às de escravidão. Segundo a ONU, em todo o mundo os lucros obtidos com os cerca de 30 milhões de trabalhadores escravos chegam a 150,2 bilhões de dólares ao ano

  • Publicidade