Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Arrepios e atuações sólidas em adaptação de Stephen King

Acompanhe o 'Em Cartaz' dessa semana com a colunista de VEJA Isabela Boscov

Por Da Redação - 9 maio 2019, 17h36

No ‘Em Cartaz’ dessa semana, a colunista de VEJA Isabela Boscov comenta ‘Cemitério Maldito‘, longa que chegou aos cinemas nesta quinta-feira (9). Esqueça a versão trash de 1989: esta nova adaptação de um dos livros mais populares de Stephen King vai muito mais pelo caminho do arrepio do que do pavor na história do médico que se muda com a família da cidade grande para a cidadezinha interiorana em busca de paz – e, em vez dela, encontra no quintal de sua nova casa uma floresta com um segredo perverso. As atuações são sólidas (e está aí algo que não se podia dizer da primeira versão), com destaque para Jason Clarke como o médico, a ótima Jeté Laurence como sua adorável (e depois nem tanto) filha de 9 anos e John Lithgow como o vizinho que sabe o que se esconde na mata. A dupla de jovens diretores prefere a elegância aos sustos, e tem humor também. Repare na piadinha: a menina explica ao vizinho que o apelido de seu gato é Church porque ele se chama, na verdade, Winston Churchill, “o nome de um político inglês”. “Pode deixar, eu sei quem foi Churchill”, responde Lithgow – que interpretou o primeiro-ministro na série The Crown.

Publicidade