Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

A ficção econômica de Cristovão Tezza

Em A Tirania do Amor, o escritor  sintetiza os impasses e debates do Brasil contemporâneo na trajetória de um economista que está para perder o emprego

Por Da Redação - Atualizado em 2 maio 2018, 10h59 - Publicado em 2 maio 2018, 10h50

Nesta entrevista, o escritor catarinense (radicado em Curitiba) Cristovão Tezza, 65 anos, fala de seu mais novo romance, A Tirania do Amor, cujo protagonista, Otavio Espinhosa, é um economista, gênio da matemática, que trabalha em uma empresa que está para fechar, envolvida em escândalos de corrupção.

Tezza fala do desafio de escrever sobre o Brasil contemporâneo, sobre a construção de seus personagens e sobre as diferenças entre escrever prosa e poesia.

Publicidade