Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Carta ao Leitor: Atirar não resolve

A batalha contra a violência exige bem mais do que balas

Por Da Redação - 27 set 2019, 12h39

A morte da menina Ágatha, que chocou o Brasil, parece uma fatalidade. Mas não é. A tragédia é um dos efeitos colaterais da política do “tiro na cabecinha”. Não por acaso, o governador Wilson Witzel, do Rio, onde aconteceu a tragédia, é um dos expoentes dessa ideia. Não se trata aqui de crucificar policiais como os vilões dessa história. Ao contrário. Eles têm de ser valorizados. Mas precisam de uma orientação clara: atirar é o último recurso. A prática não pode ser transformada na única política de Estado para segurança pública.

Nesta edição, VEJA detalha um dos caminhos que ajudam na luta contra o crime. Trata-se de um programa em Recife que promove uma presença maior do Estado em áreas conflagradas – e vem colhendo bons frutos no combate à bandidagem. Dizer que a polícia sairá atirando pode até trazer popularidade num primeiro momento. Mas não vai resolver o problema. A batalha contra a violência exige bem mais do que balas. Clique aqui e leia íntegra.

Publicidade