Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Devotos de Lula insistem em piorar a vida na cadeia

Às sete da manhã, o deus da seita acorda com a saudação berrada em coro pelo bando de desocupados

Por Da Redação - Atualizado em 14 abr 2018, 11h01 - Publicado em 14 abr 2018, 11h00

Finalmente encarcerado em Curitiba, Lula descobriu que o cotidiano no xilindró pode ficar muito pior se vingarem as ideias de jerico paridas pela companheirada.

Primeiro, Lula teve de evitar que Eduardo Suplicy cumprisse a promessa de tornar-se prisioneiro voluntário e dividir com o beliche com o chefão até que o corrupto condenado recuperasse o direito de ir e vir.

No momento, o deus da seita da missa negra procura escapar do castigo inventado por Gleisi Hoffmann: sempre às sete da manhã, ele acorda com a saudação do bando de desocupados que vem dormindo na calçada em frente do prédio da Polícia Federal: ” Bom dia, presidente Lula”. Como se pudesse ser bom qualquer dia na gaiola.

Publicidade