Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Recém-comprado pelo Facebook, WhatsApp sai do ar

Mensagem no programa de troca de mensagens indica falha em conexão aos servidores da empresa, neste sábado. Usuários reclamam nas redes sociais

Por Da Redação 22 fev 2014, 18h08

(Atualizado às 20h30)

Dois dias após ser comprado pelo Facebook por 19 bilhões de dólares, o aplicativo WhatsApp, de troca gratuita de mensagens pelo celular, ficou fora do ar por cerca de cinco horas neste sábado. No blog da companhia, não havia informações sobre o problema, que começou pouco antes das 15h e só foi normalizado por volta das 20h. O aplicativo não completava a conexão para enviar nem receber novas mensagens.

Usuários inundaram as redes sociais com reclamações. No Twitter, a hashtag #MarkDevolveOWhatsapp chegou ao topo do Trending Topics, ironizando o negócio milionário que entregou o aplicativo para Mark Zuckerberg, fundador e CEO do Facebook. O todo-poderoso das redes sociais também foi lembrado em outra hashtag que ocupou o Top 10 no Brasil: #GoogleNãoDeixeOFacebookComprarOTwitter.

Em uma mensagem publicada no Twitter por volta das 17h15, o WhatsApp confirmou a falha. O texto dizia que a empresa está “enfrentando atualmente problemas de servidor” e espera “estar de volta e recuperados em breve”. Pouco antes das 20h, a companhia fez um novo post, informando que o serviço havia sido restaurado. “Nós nos desculpamos pelo tempo de inatividade.”, acrescentou.

Leia também:

Facebook compra app de mensagens instantâneas WhatsApp por US$ 19 bilhões

Continua após a publicidade

Rival do WhatsApp é comprado por US$ 900 milhões

A guerra dos apps de mensagens instantâneas

A compra do WhatsApp pelo Facebook foi confirmada na quarta-feira passada, por meio de um documento enviado à Securities and Exchange Comission (SEC), que regula o mercado de ações. O pagamento será realizado por meio de 12 bilhões de dólares em ações do Facebook e 4 bilhões de dólares em dinheiro. Outros 3 bilhões de dólares serão pagos em ações aos criadores do aplicativo no prazo de quatro anos se eles permanecerem na companhia.

“O WhatsApp está crescendo em um ritmo para conectar 1 bilhão de pessoas. Os serviços que alcançam esta marca são incrivelmente valiosos”, disse Zuckerberg, em comunicado. Em mensagem publicada em seu perfil no Facebook, ele afirmou ainda que o app seguirá os planos traçados. “Nós esperamos que o WhatsApp nos ajude em nossos esforços no Internet.org, para tornar serviços básicos de internet acessíveis para todos.”

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês