Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

‘Queremos os melhores profissionais do Brasil’, diz chefão do Facebook

O vice-presidente da rede na América Latina revela estratégias de negócio e o perfil dos profissionais que o site procura para expandir seu domínio no país

Por Rafael Sbarai 14 out 2011, 22h04

O ano de 2011 tem sido de avanço para o Facebook no Brasil. Bom para os profissionais que quiserem buscar uma posição dentro da maior rede social do planeta. A estrutura do site está crescendo e precisa de colaboradores. Há, por exemplo, vagas para áreas tão distintas como finanças, comunicação e recursos humanos. Quem comanda o processo de expansão é o paulistano Alexandre Hohagen, de 42 anos, vice-presidente da empresa na América Latina. Por ora, são poucas as vagas disponíveis – e a empresa faz mistério sobre novas posições. Mas, como diz o próprio executivo, “o momento não poderia ser melhor”. De fato. Neste ano, o Facebook ultrapassou o Orkut no segmento de redes sociais, montou escritório no país e tirou do Google cinco funcionários, sendo que um deles era o líder do gigante de buscas na América Latina: o próprio Hohagen – que, ao trocar de companhia, fez o que, no mundo do futebol, equivale a trocar a camisa do Corinthians pela do Palmeiras, ou a do Flamengo pela do Fluminense. À frente da empresa de Mark Zuckerberg no Brasil, Hohagen quer, é claro, atrair mais usuários, mas também fortalecer o relacionamento com anunciantes, principal fonte de receita da rede. Na entrevista a seguir, ele fala sobre as estratégias da empresa e revela o perfil de profissionais que o Facebook busca para montar seu time brasileiro: “Queremos os melhores do mercado.”

Leia também:

Leia também: Como tirar proveito das novidades apresentadas pelo Facebook

Orkut e Facebook iniciam duelo pela sobrevivência

Segundo o Ibope, em agosto, a audiência do Facebook superou pela primeira vez a do Orkut. Quais são as perspectivas para o futuro? O Facebook se estabeleceu como a rede social número um dos brasileiros e a tendência é de crescimento. Sua utilização nos celulares também deu um salto significativo desde o lançamento dos aplicativos para aparelhos mais simples junto às operadoras de telefonia do país. Além de mais usuários, o novo aplicativo gera maior utilização, já que mais pessoas se conectam, convidam mais amigos, mandam mais mensagens. Se considerarmos que a expectativa para os próximos anos é de aumento do número de usuários de internet no Brasil, tanto pela rede fixa quanto pela móvel, o momento não poderia ser melhor.

Continua após a publicidade

A estrutura do Facebook está crescendo no Brasil. O que os brasileiros precisam fazer para trabalhar na empresa? A primeira ação é acessar o site e conferir as vagas adequadas ao perfil do candidato. O site é atualizado constantemente. Se houver uma vaga de seu interesse, o melhor caminho é enviar um currículo, através do site, para avaliação da equipe de recursos humanos.

Qual o perfil profissional que interessa à empresa? Buscamos pessoas com perfil empreendedor, que conheçam ou gostem de tecnologia, que curtam trabalhar em ambientes informais e que, é claro, tenham experiência e formação apropriadas à função à qual se candidatam. Queremos os melhores profissionais do mercado. E isso não quer dizer pessoas com a melhor formação, mas as que tenham capacidade de se desenvolver dentro da nossa cultura corporativa.

A maior fatia da receita do Facebook é proveniente de anúncios. Por que as empresas nacionais devem anunciar no Facebook? As empresas passaram a redefinir suas estratégias pensando em como se conectar com seus públicos através das redes sociais. Milhares de companhias já estão presentes com suas páginas na rede. Esse número vem crescendo de maneira bastante acelerada. Antes, as pessoas buscavam as informações; agora, as informações chegam até elas.

Qual seu argumento para atrair os anunciantes? Acreditamos que uma internet livre, onde as pessoas têm a capacidade de se conectar e compartilhar informações com amigos e com marcas e produtos, torna a experiência mais rica. As empresas já perceberam a importância de conquistar esse espaço. Ali, os usuários podem se transformar em importantes defensores ou propagadores de uma marca, um produto ou um serviço. Com um alcance global de mais de 800 milhões de pessoas e a capacidade de segmentação dessa base de usuários, o Facebook tem ajudado as empresas a se conectar com seus públicos, construindo novas marcas, melhorando a percepção de um produto ou aumentando o volume de vendas de uma empresa.

Em que medida é possível segmentar o público no Facebook, dirigindo anúncios específicos para grupos de usuários? Uma das nossas vantagens competitivas é a capacidade de segmentação da base de usuários. Essa segmentação é baseada nas informações públicas, divulgadas pelo próprio usuário – coisas como cidade onde mora, idade, interesses. As informações que o usuário define como confidenciais jamais são utilizadas para segmentação dos anúncios.

Continua após a publicidade
Publicidade