Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Pesquisadores confirmam: bluetooth pode servir para rastrear telefone

Estudo da Universidade da Califórnia aponta que é possível acompanhar impressões digitais únicas emitidos por dispositivos inteligentes

Por André Sollitto 9 jun 2022, 18h18

Dispositivos móveis, como smartphones, smartwatches e até equipamentos de corrida e ciclismo, emitem sinais bluetooth que permitem a realização de diversas funções. A solução da Apple para encontrar um iPhone perdido é uma delas, ou a conexão com fones de ouvido sem fio ou caixas de som portáteis. Agora, pesquisadores descobriram que o bluetooth também pode ser usado para rastrear seu celular.

Um time da Universidade de San Diego, na Califórnia, conseguiu provar que os sinais emitem uma impressão digital única que pode ser usada para rastrear os movimentos dos indivíduos. Antes, já se sabia que sinais de wifi e outras tecnologias sem fio possuíam essas impressões digitais, mas a novidade é que o bluetooth também – e o rastreamento é possível com um grau elevado de precisão.

De acordo com os pesquisadores, todos os dispositivos sem fio têm imperfeições de fabricação no hardware que são exclusivas de cada dispositivo – e as impressões digitais são um subproduto acidental dessas imperfeições. No caso do Bluetooth, elas resultam em distorções únicas que podem ser usadas como impressão digital para rastrear um dispositivo específico.

“No mundo de hoje, o Bluetooth representa uma ameaça mais significativa pois é um sinal sem fio frequente e constante emitido por todos os nossos dispositivos móveis pessoais”, afirmou Nishant Bhaskar, estudante de doutorado no Departamento de Ciência da Computação da Universidade e um dos principais autores do artigo.

Apesar da preocupação, o rastreamento via Bluetooth ainda é muito complicado para ser realizado em grande escala na vida real. Os próprios pesquisadores precisaram criar um algoritmo capaz de ler os curtos sinais emitidos pelo Bluetooth, ao contrário do sinal mais longo tradicional do wifi. Mudanças no clima afetam as impressões digitais e é preciso um elevado grau de conhecimento para fazer o rastreamento, embora o equipamento necessário seja básico. Além disso, apesar de mostrarem que é possível rastrear o dispositivo, os pesquisadores não conseguiram obter nenhuma informação adicional dos aparelhos monitorados.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)